Álcool em gel não é necessário para higienização das mãos, dizem médicos

Como lavar as mãos

Uma prática que deveria ser sempre seguida, mas ganhou maior difusão com a pandemia da influenza A (H1N1), o ato de lavar as mãos, não precisa mais do que água e sabão. É o que recomendam o Ministério da Saúde e médicos ouvidos pela Agência Brasil.

Mas a higienização das mãos com o álcool gel também se transformou num hábito do brasileiro, com o crescimento de casos da doença no país. Por causa disso, houve o aumento na procura pelo produto, que chegou a sumir das prateleiras de alguns pontos comerciais e a ter os preços elevados.

Dispensa o álcool gel

O presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), Jorge Carlos Machado Curi, desfaz a crença de que o álcool gel seja essencial na higienização das mãos para evitar a contaminação pelo vírus Influenza (H1N1). Ele disse que basta apenas lavar bem as mãos com água e sabão neutro, e alertou para os riscos do uso indiscriminado do produto.

"Apesar de não se espraiar da mesma forma que o álcool líquido, esse produto também incendeia com facilidade, favorecendo a ocorrência de acidentes, principalmente, com crianças e mesmo com adultos", disse.

Usar menos álcool

De acordo com Machado Curi, os profissionais da área médica de várias especialidades há algum tempo alertam, por meio de campanhas, para a necessidade de reduzir o uso do álcool líquido, uma ação que, na opinião dele poderia também ser aplicada no caso da versão na forma em gel.

Parceira da APM e de outras entidades nessas campanhas, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor defende a aprovação do Projeto de Lei 692/2007, que proíbe a venda do álcool líquido para fins domésticos. "É um produto muito perigoso, facilmente inflamável e responsável pela maior parte dos acidentes com queimaduras em nosso país", informou por meio de um comunicado.

Embora as campanhas estejam voltadas para a restrição do uso do álcool líquido, Associação Brasileira de Defesa do Consumidor alega que as análises feitas pela entidade comprovaram que, mesmo na forma de gel, o perigo de acidentes existe e que, nestes casos, as crianças são sempre as maiores vítimas.

Álcool e queimaduras

No setor de atendimento a pacientes com queimaduras no Hospital das Clínicas de São Paulo, no entanto, não há o registro de casos frequentes de vítimas de queimaduras com álcool gel, segundo informou o médico responsável pelo departamento, David Gomes.

Ele revelou que entre 12 a 15% dos casos de queimaduras têm origem no uso de álcool líquido. Já os atendimentos causados pelo uso inadequado do produto na forma em gel são raros com apenas dois registros até hoje.

O médico também concorda com os especialistas que para higienizar bem as mãos "bastam água e sabão".


Ver mais notícias sobre os temas:

Higiene Pessoal

Cuidados com a Pele

Infecções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.