Cientistas descobrem como protetor solar causa alergia

Efeitos colaterais dos protetores solares

Se a pele for submetida a uma exposição excessiva ao Sol, eleva-se muito o risco de se contrair o câncer de pele.

Para a prevenção contra esses efeitos nocivos do excesso de Sol foram criados os protetores solares.

Mas o que acontece com esses cremes protetores solares quando eles próprios estão submetidos ao Sol? E como a pele é afetada pela degradação desses produtos?

Estes foram os principais motivadores de uma pesquisa realizada por cientistas das universidades de Gotemburgo e Chalmers, na Alemanha. E os resultados podem mudar a forma como os dermatologistas lidam com a proteção da pele e com as alergias.

Alergia a protetor solar

Embora se espera que o aumento do uso dos protetores solares resulte em uma diminuição a longo prazo do câncer de pele, o novo hábito de prevenção já criou um efeito mais imediato e nada agradável: o aumento das alergias.

Os pesquisadores relatam um aumento crescente das chamadas alergias de contato e alergias de fotocontato - induzidas pela exposição à luz.

"Nós sabemos que os cremes protetores contra o Sol passam através da pele e entram em nossos corpos, mas ainda não sabíamos quais efeitos eles induzem em nós," explica a química Isabella Karlsson.

"Muitos deles degradam-se na presença da luz do Sol. Assim, queríamos descobrir o que pode acontecer aos agentes químicos de proteção solar quando eles são expostos aos raios UV [ultravioleta] e como os produtos resultantes da degradação afetam nossa pele," conta a cientista.

Substância que absorve raios UV

No estudo, os pesquisadores descobriram uma explicação para o que acontece durante esse processo.

"Os arilglioxalos, um dos produtos resultantes da degradação [dos protetores solares], se mostraram altamente alergênicos," diz Karlsson. "Isso pode explicar porque algumas pessoas são alérgicas aos cremes que contêm dibenzoilmetanos, uma das substâncias absorventes dos raios ultravioleta presentes nos protetores solares."

A descoberta deverá ter dois impactos: o primeiro deles será o desenvolvimento de novos protetores solares que não causem alergia, pelo teste e eliminação dos produtos que se degradam e geram compostos alergênicos.

O segundo impacto, contudo, pode ser mais imediato. Até agora era praticamente impossível fazer testes prévios com os pacientes suspeitos de apresentarem alergia de fotocontato. Ao descobrir o mecanismo de ação dos compostos presentes nos protetores solares, isso se torna possível.

"Nós já começamos a trabalhar com várias clínicas dermatológicas para avaliar o teste," explica Karlsson." Assim, mais pacientes poderão descobrir se têm alergia por fotocontato, o que poderá ajudá-los em sua vida diária."

Alergia por fotocontato e alergia por contato

Uma reação alérgica por fotocontato resulta da alteração química dos protetores solares induzida pela luz solar. Essa alteração química produz compostos que fazem com que o sistema imunológico responda com uma reação alérgica.

A reação não é muito comum, mas seu principal agente causador são os protetores solares.

Os sintomas da alergia por fotocontato são pequenas erupções que causam coceira intensa. Não há tratamentos para o problema, e a única solução é evitar a substância que produz a alergia.

Outro "efeito colateral" dos cuidados contra a exposição ao Sol tem sido o excesso de proteção, o que tem criado problemas de carência de vitamina D pela falta de exposição ao Sol - veja Jovens brasileiros têm insuficiência de vitamina D.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com a Pele

Alergias

Prevenção

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.