Alerta da OMS sobre gripe A(H1N1) não foi exagerado

Alerta da OMS sobre gripe A(H1N1) não foi exagerado
Primeiro estudo publicado sobre o vírus da gripe porcina indica que decisão da OMS de elevar o nível de alerta foi correta. H1N1 é potencialmente tão letal como o vírus da gripe de 1957, que matou 2 milhões de pessoas.
[Imagem: CDC]

Gripe porcina

Quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu elevar para 5 o nível de alerta da influenza A (H1N1) - inicialmente chamada de gripe porcina ou gripe suína - em uma escala máxima de 6 -, em abril, pareceu a muitos um ato exagerado. Ainda mais que nas semanas seguintes o número de mortes permaneceu baixo e o temor de uma pandemia mundial diminuiu.

Mas a primeira análise do vírus influenza A (H1N1), publicada na edição desta sexta-feira (15/5) da revista Science, aponta que a decisão da OMS foi justificada. Segundo o estudo, feito por um grupo internacional de pesquisadores, a ameaça do vírus ainda não passou. Não por coincidência, no dia 12 a OMS divulgou que o número de casos passou dos 5 mil, em 30 países, com 61 mortes confirmadas.

Vírus de transmissão fácil

Segundo a pesquisa, o vírus é transmitido mais facilmente do que o da gripe sazonal e é potencialmente tão letal como a gripe asiática de 1957, que causou a morte de cerca de 2 milhões de pessoas no mundo. No ano passado, uma análise feita pelo Banco Mundial concluiu que, se uma pandemia do tipo ocorresse atualmente, poderia matar mais de 14 milhões de pessoas e consumir 2% da economia mundial.

No estudo agora publicado, os cientistas basearam a análise em dados obtidos no México, incluindo a distribuição do vírus pela população e o potencial de provocar uma epidemia.

"Essa primeira análise indica que poderemos ter cenário compatível com os das pandemias do século 20 com relação à extensão da distribuição. Mas é muito difícil quantificar, no atual momento, o impacto que poderá ter na saúde humana", disse Neil Ferguson, professor do Departamento de Epidemiologia e Doenças Infecciosas do Imperial College London, no Reino Unido.

Bases científicas para políticas públicas

Os autores do estudo ressaltam que os dados disponíveis atualmente ainda são muito incompletos e que incertezas a respeito da epidemia continuam, mas afirmam que a pesquisa poderá ajudar a definir uma base científica para as decisões em políticas públicas, como o fechamento de escolas em áreas de risco.

A análise estima que ocorreram entre 6 mil e 32 mil casos de infecções pelo H1NI no México até 30 de abril. Isso implica que o percentual de casos fatais estaria entre 0,4% e 1,4%. A epidemia parece ter se iniciado em meados de fevereiro, na cidade de La Gloria, no estado de Veracruz.

Os pesquisadores também determinaram a transmissibilidade do vírus - o número de casos, em média, gerados por um determinado caso no curso de um período de infecção. O grupo usou três diferentes métodos para a estimativa e o resultado (entre 1,4 e 1,6 caso) é similar ou um pouco inferior ao das pandemias de 1918, 1957 e 1968.


Ver mais notícias sobre os temas:

Epidemias

Vírus

Gestão em Saúde

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.