Analgésico codeína deve ser banido, dizem cientistas

Aumentando a dor

A codeína, um analgésico amplamente utilizado em todo o mundo, não funciona em algumas pessoas e pode levar outras à morte.

Por isso o uso da codeína deve ser interrompido imediatamente, afirmam cientistas da Universidade de British Columbia em Vancouver, no Canadá.

A codeína funciona ao ser metabolizada em morfina no organismo. Mas a magnitude dessa metabolização depende da estrutura genética de cada pessoa, de forma que a quantidade de morfina produzida varia de pessoa para pessoa.

Risco da codeína para crianças

Em um editorial publicado no Canadian Medical Association Journal esta semana, Stuart MacLeod e Noni MacDonald afirmam que o problema é especialmente relevante para as crianças.

Os dois cientistas citam exemplos de duas crianças que morreram após receberem codeína depois de uma cirurgia para retirada das amígdalas.

Segundo eles, dois outros estudos mostraram toxicidade não-fatal para bebês amamentados por mães que tomam a codeína.

O Hospital for Sick Children, de Toronto, Canadá, já parou de usar a codeína. Os autores do estudo estão conclamando os demais hospitais do mundo a seguirem o exemplo.

Autoridades

Segundo autoridades do Reino Unido, falando em entrevista à revista britânica New Scientist, apenas 1 a 2 por cento da população tem um metabolismo mais ativo.

Assim, para Florence Palmer, da MHRA (Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency) "a maioria dos pacientes pode continuar a tomar a codeína."


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Ética

Saúde Pública

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.