Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

26/03/2010

Conheça a Anemia Hereditária, uma doença de difícil diagnóstico

Juliana Saragá - Minas Faz Ciência

Anemia hereditária

Imagine-se portador de uma doença para a qual não há diagnóstico preciso e cujo tratamento recomendado não surte efeito.

Essa era a realidade de centenas de pessoas portadoras da alfa-talassemia ou alfa-tal, um tipo de anemia hereditária caracterizada pela baixa produção de hemoglobina normal.

Seus sintomas se caracterizam por uma anemia discreta, persistente e que não responde a tratamento com suplementação de ferro. Exames laboratoriais não conseguem por si só distinguir a alfa-tal de outras anemias que não apresentam deficiência de ferro.

Alfa-talassemia

A alfa-talassemia é uma anemia hereditária causada pela baixa ou nenhuma síntese de alfa-globina, proteína presente na hemoglobina - substância que permite às células sanguíneas o transporte do oxigênio a todo o sistema circulatório.

Dessa forma, o indivíduo portador da alfa-tal apresenta um quadro de anemia, que pode variar entre leve (portador silencioso), moderada e grave. Esta variação vai depender do tipo de mutação genética que leva a uma deficiência ou ausência de alfa globina.

Um indivíduo normal (sem alfa-tal) possui quatro genes alfa, sendo dois herdados do pai e dois da mãe. Durante a formação do feto, a ausência de um destes genes dá origem a um indivíduo chamado portador silencioso, ou seja, apresenta três genes alfa e consegue produzir até 75% de hemoglobina. Essa pessoa não terá nenhum sintoma clínico.

"O indivíduo assintomático pode levar uma vida normal", afirma Cibele Rodrigues. Quando há perda de dois genes alfa, o indivíduo vai manifestar a doença. "Seus exames laboratoriais indicarão uma anemia branda e, em um primeiro momento, o médico pode pensar que é uma anemia ferropriva (ausência de ferro), iniciando um tratamento de suplementação desta substância. Mas este paciente não vai responder ao tratamento, gerando frustração para o mesmo e demanda persistente nos centros de saúde", comenta a pesquisadora.

Sintomas da anemia

Nos casos em que há a destruição de três dos quatro genes alfa disponíveis, o indivíduo vai manifestar o quadro mais grave da doença.

Os sintomas são fadiga, fraqueza, pele pálida ou amarelada, urina escura, ossos faciais anormais e baixo crescimento. Devido à dificuldade da hemoglobina em carregar oxigênio para o corpo, pode ocorrer também uma sobrecarga dos órgãos.

Estes pacientes são tratados com transfusões de sangue regular, que pode gerar excesso de ferro no organismo. Neste caso, o excesso deve ser retirado com medicamentos (terapia quelante).

Também há casos em que é necessário transplante de medula óssea. Sem tratamento, crianças com alfa-talassemia grave não sobrevivem até depois da primeira infância. Fetos gerados com todos os quatro genes afetados geralmente morrem antes ou logo após o parto (hidropsia fetal).

Doença sem sintomas

É de grande importância para o paciente assintomático saber que é portador da doença, para que possam ser fornecidas as orientações corretas.

"Quando um portador silencioso se casa com outro portador silencioso, existe o risco de gerarem filhos com o traço grave da doença, podendo ocorrer até mesmo morte do feto", alerta a bióloga Marina Lobato, também pesquisadora da Hemominas e colaboradora do projeto.

Diagnóstico da anemia hereditária

Essa realidade fez com que pesquisadores da Fundação Hemominas, de Minas Gerais, desenvolvessem uma metodologia para diagnosticar com precisão a doença.

O projeto teve início em 2005 e hoje se tornou um serviço pioneiro. Coordenado pela bióloga geneticista e pesquisadora Cibele Velloso Rodrigues, o projeto representa, além de um grande avanço para a saúde, um alívio para esses pacientes que esperaram anos por um diagnóstico definitivo da doença.

A metodologia desenvolvida pelos pesquisadores da Hemominas trouxe, além do fim da ansiedade para estes pacientes, uma minimização de custos para a saúde pública.

Até a criação do teste, o médico poderia desconfiar que seu paciente anêmico era um portador da alfa-tal, caso ele não respondesse ao tratamento com suplementação de ferro, mas não teria como diagnosticar com precisão a doença. Além disto, há um grande perigo no excesso de ingestão do ferro, que em grandes quantidades, se torna uma substância tóxica, causando problemas para o organismo, principalmente para o fígado.

Segundo a pesquisadora, estes casos também sobrecarregam o Sistema Público de Saúde. "Repetindo consultas e exames de hemograma, estes indivíduos estavam sempre atrás de um diagnóstico até então indefinido. A expectativa da equipe é que o teste chegue ao Sistema Único de Saúde (SUS). Estamos em fase de negociação", afirma.

Exames moleculares

Na Fundação Hemominas já é possível fazer o exame por um preço viável. Uma média de seis testes é realizada por semana.

"As pessoas que chegam aqui com uma anemia indefinida e exames laboratoriais suspeitos de alfa-tal são encaminhadas para realizar o teste, que pode ser feito a partir de uma pequena amostra de sangue e concluído em, no máximo, 48 horas", relata André Belisário Rolim, mestrando e colaborador do projeto.

Dos 140 testes já realizados em pacientes com suspeita da doença, 65% possuíam a alfa-tal. A Fundação também possui uma parceria com o Hospital das Clínicas para detectar a alfa-tal em bebês com suspeita da doença, a partir do teste do pezinho.

"O projeto mostra que é possível implantar no Sistema Único de Saúde exames moleculares viáveis e baratos", afirma Marina Lobato. A equipe acredita que, quando o teste for liberado para o SUS e divulgado para a comunidade médica, a demanda será grande. "A Fundação Hemominas já está se preparando, pois sabe que haverá grande demanda", finaliza.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Circulatório

Genética

Vitaminas

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Chá verde melhora conectividade do cérebro

Terapias contra artrite reumatoide podem causar diabetes, alerta médica

Vaginas produzidas em laboratório são implantadas em pacientes

Xixi com cloro da piscina faz mal mesmo

Brasil desvaloriza parto normal e sagra-se campeão mundial de cesáreas