Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

03/07/2013

Anestesia geral em idosos aumenta risco de demência em 35%

Redação do Diário da Saúde

A exposição à anestesia geral aumenta o risco de demência em idosos em 35%,

A conclusão é de um estudo apresentado no congresso anual da Sociedade Europeia de Anestesiologia, coordenado pelo Dr. François Sztark, da Universidade de Bordeaux (França).

DCPO - Disfunção cognitiva pós-operatória

A disfunção cognitiva pós-operatória, ou DCPO, pode ser associada com a demência vários anos depois.

A DCPO é uma complicação comum em pacientes idosos após cirurgias de grande porte.

Tem sido proposto que existe uma associação entre a DCPO e o desenvolvimento posterior de demência devido a um mecanismo patológico através do peptídeo beta-amiloide.

Vários estudos experimentais sugerem que alguns anestésicos podem causar inflamação de tecidos do sistema nervoso, levando à DCPO e precursores de Alzheimer, incluindo placas beta-amiloides e emaranhados neurofibrilares.

Mas ainda não está claro se a DCPO pode ser um precursor da demência.

Anestesia e demência

Neste novo estudo, os pesquisadores analisaram o risco de demência associado à anestesia em uma amostragem de base populacional de idosos (com 65 anos ou mais).

Os participantes tinham 65 anos ou mais, e foram entrevistados no início do estudo e, posteriormente, 2, 4, 7 e 10 anos depois.

Na entrevista após 2 anos, 33% dos participantes haviam recebido anestesia no período, com 19% relatando uma anestesia geral, e 14% uma anestesia local ou regional.

Um total de 632 (9%) participantes desenvolveram demência durante os 8 anos seguintes de acompanhamento.

Os participantes com pelo menos uma anestesia geral tiveram um risco 35% maior de desenvolver a demência em comparação com os participantes que não tomaram anestesia.

"Estes resultados apontam um aumento do risco de demência vários anos após a anestesia geral. O reconhecimento da DCPO é essencial no manejo perioperatório dos pacientes idosos. A longo prazo, deve-se planejar o acompanhamento desses pacientes," recomenda o Dr Sztark.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cirurgias

Terceira Idade

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão