Brasileiros identificam mutação genética que causa doença rara

Angioedema hereditário: identificada mutação genética que causa doença rara
Pesquisa brasileira identificou mutação genética responsável pelo angioedema hereditário, doença rara e muitas vezes confundida com reação alérgica.
[Imagem: Wikipedia]

Moléstia autossômica

Inchaços na pele, principalmente no rosto, órgãos genitais, tórax, mãos e pés, podem indicar uma doença rara, pouco conhecida e muito confundida com reações alérgicas a alimentos e medicamentos.

Trata-se do angioedema hereditário.

A moléstia autossômica dominante, causada por uma mutação genética, foi tema de uma pesquisa coordenada pela professora Luisa Karla de Paula Arruda, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

O estudo avaliou 275 pessoas em cinco gerações de uma família de Carmo do Rio Claro (MG).

"O objetivo foi determinar o tipo de mutação genética no inibidor da proteína C1 que causa a doença. Nele, observamos a ausência de um nucleotídeo do DNA. É uma mutação que não havia sido identificada em outras famílias", disse Luisa.

Edemas

Existem mais de 200 mutações genéticas responsáveis pelo angioedema com descrição na literatura científica.

"Na família estudada foi detectada a deleção heterozigota de uma citosina no exon 3 [segmento codificador] do gene serping1, que codifica a proteína C1. É como se uma única peça fosse capaz de alterar toda a estrutura do gene e, consequentemente, a proteína que ele codifica", disse.

O inibidor de C1 impede diversas vias metabólicas no organismo, uma das quais é responsável pela produção da bradicinina, substância que atua na dilatação dos vasos aumentando a permeabilidade.

Na ausência da bradicinina, o líquido transborda para os tecidos e causa o edema.

Angioedema hereditário

A doença se manifesta por meio de inchaços, caracterizados pela ausência de vergões, dor e coceira. Os inchaços são muitas vezes desencadeados por situações de estresse e chegam a durar entre 48 e 72 horas.

"Nesse período, o paciente deve ser tratado de forma rigorosa. Caso contrário, ele pode morrer de asfixia, por conta do edema das vias aéreas", ressaltou Luisa.

"O mais complicado é o tratamento das crises. Recentemente, foi lançado no Brasil um medicamento que atua na inibição do receptor da bradicinina. É importante compreender a doença, pois ela tem um tratamento muito específico", disse.

Entre os primeiros sintomas - que surgem em torno dos 10 anos de idade - e o diagnóstico pode levar cerca de uma década. "Grande parte dos médicos desconhece a doença devido à sua raridade. Quando há vários casos na família, pode ser mais fácil identificá-la", afirmou Luisa.

Exame genético

Para identificar o angioedema, a pesquisadora conta que são feitas análises laboratoriais nas quais são determinadas a quantidade e a atividade enzimática do inibidor de C1, além da dosagem de C4 - proteína cujo nível reduz quando há a mutação.

"O diagnóstico final, e mais preciso, seria identificar uma mutação no gene, como fizemos nessa família. Porém, isso não é rotina", disse.

"A doença não tem cura, mas podemos ajudar no que chamamos de aconselhamento genético. Em um recém-nascido - de uma família portadora do angioedema - é possível realizar os exames já nos primeiros meses para dizer se a criança tem ou não a mutação", destacou.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Sistema Imunológico

Sistema Circulatório

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.