Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

25/07/2014

Como os antioxidantes aceleram o câncer

Peter Tarr - CSHL
Antioxidantes aceleram câncer - e não protegem contra o câncer
Ensaios clínicos de suplementos antioxidantes têm repetidamente frustrado as esperanças dos consumidores que os ingerem na esperança de reduzir o risco de câncer. [Imagem: CSHL]

Mito dos antioxidantes

Há décadas, pessoas de todo o mundo conscientes da importância da própria saúde têm tomado suplementos de antioxidantes e preferido alimentos ricos em antioxidantes, acreditando ser este um dos caminhos para uma boa saúde e uma vida longa.

No entanto, ensaios clínicos de suplementos antioxidantes têm repetidamente frustrado as esperanças dos consumidores que os ingerem na esperança de reduzir o risco de câncer. Praticamente nenhum desses ensaios conseguiu demonstrar qualquer efeito protetor dos antioxidantes contra o câncer.

De fato, em vários estudos, a suplementação com antioxidantes tem sido associada com aumento das taxas de certos tipos de câncer. Em um ensaio, fumantes que tomavam beta-caroteno apresentaram taxas de incidência de câncer de pulmão maiores, e não menores.

Um novo argumento contra esse "mito dos antioxidantes" vem agora em um artigo no The New England Journal of Medicine, escrito pelos doutores David Tuveson (Cold Spring Harbor Laboratory) e Navdeep Chandel (Universidade de Northwestern).

No artigo, a dupla explica por que os suplementos antioxidantes não estão reduzindo o desenvolvimento de câncer, e por que os antioxidantes podem realmente fazer mais mal do que bem.

Oxidantes e antioxidantes nas células

As explicações dadas pelos pesquisadores são baseadas em avanços recentes na compreensão do sistema nas nossas células que estabelece um equilíbrio natural entre os compostos oxidantes e antioxidantes. Estes compostos estão envolvidos nas chamadas reações redox (redução e oxidação), essenciais para a química celular.

Oxidantes como o peróxido de hidrogênio são essenciais em pequenas quantidades e são fabricados dentro das células. Não há controvérsia quanto a que os oxidantes são tóxicos em grandes quantidades, e as células geram naturalmente os seus próprios antioxidantes para neutralizá-los.

Assim, pareceu lógico para muitos cientistas defenderem o aumento na ingestão de antioxidantes para combater os efeitos do peróxido de hidrogênio e outras igualmente tóxicas "espécies reativas de oxigênio" - radicais livres, ou ROS, como são chamadas pelos cientistas. Ainda mais que se sabe que as células cancerosas produzem níveis elevados de radicais livres para ajudar a alimentar seu crescimento anormal.

Contudo, os doutores Tuveson e Chandel defendem que tomar suplementos de antioxidantes ou comer grandes quantidades de alimentos ricos em antioxidantes pode não resultar em efeitos benéficos contra o câncer porque eles não agem no ponto crítico das células onde são produzidos os ROS (espécies reativas de oxigênio) que estimulam os tumores - nas usinas de energia das células, chamadas mitocôndrias.

Em vez disso, suplementos e antioxidantes ingeridos pela dieta tendem a se acumular em locais distantes dispersos na célula, "deixando as ROS estimuladoras dos tumores relativamente tranquilas", dizem os pesquisadores.

Antioxidantes aceleram, e não protegem contra o câncer
O Dr. David Tuveson lembra que são os radicais livres - e não os antioxidantes - que são usados para matar as células do câncer em tratamentos como a radioterapia e a quimioterapia. [Imagem: CSHL]

Os volumes naturais, tanto de ROS quanto de antioxidantes, são mais elevados nas células cancerosas - os níveis paradoxalmente mais altos de antioxidantes são uma defesa natural das células cancerosas para manter seus níveis mais altos de oxidantes em cheque, de forma que seu crescimento possa continuar.

De fato, dizem Tuveson e Chandel, as terapias que aumentam os níveis de oxidantes nas células podem ser benéficas, ao passo que aquelas que atuam como antioxidantes podem estimular as células cancerosas.

Radicais livres como medicamentos

Curiosamente, a radioterapia mata as células cancerígenas aumentando drasticamente os níveis de oxidantes. O mesmo é verdadeiro para as drogas quimioterapêuticas, que matam as células tumorais por meio da oxidação - em outras palavras, são os radicais livres que são usados como medicamento nessas terapias.

Assim, paradoxalmente, os pesquisadores sugerem que a "inibição genética ou farmacológica das proteínas antioxidantes" - um conceito testado com sucesso em modelos de pulmão e pâncreas em cobaias - pode ser uma abordagem terapêutica útil em seres humanos.

O principal desafio, afirmam, é identificar proteínas antioxidantes e rotas celulares que sejam usadas apenas por células cancerosas, mas não por células saudáveis. Impedir a produção de antioxidantes em células saudáveis irá perturbar o delicado equilíbrio redox do qual depende a função celular normal.

Os autores propõem novas pesquisas para identificar as rotas antioxidantes nas células tumorais e nas células normais adjacentes, para identificar possíveis alvos terapêuticos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Prevenção

Câncer

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão