Anvisa quer mais controle na venda de medicamentos tarja vermelha

Sinal vermelho

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) abriu discussão em audiência pública para debater a necessidade de apresentação de receita médica para compra de medicamentos de tarja vermelha.

A proposta da ANVISA é implementar medidas de fiscalização e educação para alertar sobre os riscos da automedicação e estimular o consumo racional de medicamentos no país.

Os medicamentos de tarja vermelha correspondem a 65% do mercado de medicamentos.

Para a maioria desses produtos, a legislação sanitária exige apenas a apresentação da receita médica no ato da compra. As farmácias não são obrigadas a reter as receitas.

Grupo de trabalho

Dirceu Barbano, diretor-presidente da ANVISA, não acredita que a retenção de receita seja o melhor caminho.

"Seria necessário criar um prédio ao lado das farmácias para guardar as receitas retidas", ironizou.

Em sua opinião, o mais indicado seria atuar na conscientização da população. "A prescrição médica é fundamental para garantir um diagnóstico correto e o uso seguro e eficaz do medicamento ", disse Barbano.

A sugestão que teve mais força entre os representantes da indústria farmacêutica foi a formação de um "grupo de trabalho" para a proposição de novas ideias sobre o tema.

Representantes dos farmacêuticos sugeriram que haja uma nova classificação que inclua medicamentos que possam ser indicados por profissionais da área.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Saúde Pública

Terapias Alternativas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.