Aparelho portátil identifica tuberculose e bactérias resistentes

Um aparelho portátil de exames originalmente desenvolvido para diagnosticar o câncer foi adaptado para diagnosticar rapidamente a tuberculose (TB) e outras bactérias infecciosas.

O trabalho foi feito por uma equipe multidisciplinar do Hospital Geral de Massachusetts (EUA), ligado à Universidade de Harvard.

O aparelho não apenas diagnostica infecções graves, como também determina a presença de cepas bacterianas resistentes a antibióticos.

O laboratório portátil combina a tecnologia microfluídica presente nos biochips com a ressonância nuclear magnética.

De acordo com Ralph Weissleder, coordenador da equipe, "Estes métodos nos permitem fazer o exame em um tempo de duas a três horas, uma grande melhoria sobre a técnica padrão de cultura, que pode levar até duas semanas para fornecer um diagnóstico."

Aparelho portátil identifica tuberculose e bactérias resistentes
O exame é tão sensível que consegue detectar uma ou duas bactérias em uma amostra de 10 ml de sangue.
[Imagem: Center for Systems Biology/Massachusetts General Hospital]

Identificação e contagem de bactérias

Originalmente, os pesquisadores haviam desenvolvido um biochip capaz de detectar biomarcadores do câncer presentes no sangue ou em amostras de tecido muito pequenas.

Os biomarcadores - células ou moléculas indicativas da doença - são inicialmente marcadas com nanopartículas magnéticas. A seguir, a amostra passa através de um microssistema de ressonância nuclear magnética capaz de detectar e quantificar os níveis dessas células ou moléculas.

Para adaptar o sistema para identificar bactérias, a equipe passou a procurar sequências de DNA específicas, indicativas dos patógenos.

O aparelho foi testado em amostras colhidas de pacientes já diagnosticados com tuberculose e de indivíduos de controle, sem a doença.

O biochip identificou todas as amostras positivas em menos de três horas e não apresentou nenhum falso positivo.

O exame é tão sensível que consegue detectar uma ou duas bactérias em uma amostra de 10 ml de sangue.

Ele também estima com precisão a carga bacteriana e identifica as espécies de bactérias.

Outra vantagem é que, durante os testes, o aparelho detectou duas espécies de bactérias que não tinham sido identificadas com a técnica padrão de cultura bacteriana em laboratório.

Segundo os cientistas, o aparelho agora precisará de um desenvolvimento adicional para incorporar todas as etapas do exame em dispositivos independentes e selados, para reduzir o risco de contaminação.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Biochips

Exames

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.