Arrependimento verdadeiro pode reconquistar confiança

Dores morais

Ferir alguém dói muito mais no outro do que em você.

Pelo menos até você começar a sentir arrependimento.

Neste momento, pedir perdão é muito mais doloroso do que fazer o ato que levou embora a confiança que depositavam em você.

Mas uma nova pesquisa indica que, se você quiser reconquistar a confiança de alguém, por mais que doa moralmente, é melhor caprichar no pedido de perdão.

Percepção do perdão

Uma equipe de três universidades norte-americanas e uma de Cingapura concluiu que a reconquista da confiança vai depender de como o outro percebe o pedido de perdão.

Os pesquisadores concluíram que a capacidade de restaurar a confiança depende da medida em que o pedido de perdão mostre que o infrator está verdadeiramente arrependido.

Eles estudaram várias técnicas, conhecidas como esforços substantivos para reparar a confiança, que vão além de um mero pedido de desculpas ou promessas de não repetir o erro.

Mas, segundo eles, não há técnicas que substituam o verdadeiro arrependimento.

Política e negócios

A pesquisa mostrou que os esforços substantivos, como punições ou medidas para evitar novos erros, funcionam melhor quando o erro decorreu de incompetência, quando então as pessoas se mostram mais propensas a esquecer a falta de integridade.

Isto se aplica sobretudo a "traições" de confiança no mundo dos negócios e na política.

Mesmo aí, a corrigenda deve ser auto-imposta. Um político que renuncia ao mandato por ter sido pressionado por seus pares ou por uma ameaça de cassação, não reconquista a confiança, porque as pessoas não vêem nisso uma decisão de não reincidir.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sentimentos

Emoções

Ética

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.