Autoteste para HIV exige confirmação laboratorial

Exame para triagem

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou o registro de autotestes para a triagem do vírus HIV no Brasil.

A agência regulamentou a comercialização dos autotestes de HIV em farmácias, drogarias, postos de medicamentos, serviços de saúde e programas de saúde pública.

Esses autotestes podem ser usados pela própria pessoa interessada, sem necessidade de treinamento.

Segundo a ANVISA, o objetivo da medida é ampliar o acesso ao diagnóstico, fornecendo mais um instrumento para auxiliar no controle da infecção no Brasil. O pedido de autorização havia sido feito pelo Departamento de DST/AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Contudo, apesar da rapidez dos resultados, o autoteste é considerado um exame para triagem: o resultado obtido no teste, seja positivo ou negativo, deverá ser confirmado por um serviço de saúde especializado e em testes laboratoriais.

Janela imunológica

A norma estabelece que os produtos deverão conter informações claras que indiquem o uso seguro e eficaz dos autotestes, incluindo ilustrações como fotografias, desenhos ou diagramas sobre a obtenção da amostra, execução do teste e leitura do resultado.

Os produtores também serão responsáveis pelo esclarecimento quanto à "janela imunológica humana", que é o intervalo de tempo entre a infecção pelo vírus e a produção de anticorpos no sangue, bem como orientações de conduta do indivíduo após a realização do teste.

O autoteste não poderá ser utilizado na seleção de doadores em serviços de coleta de sangue.


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Vírus

Sexualidade

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.