Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

13/12/2012

Avanços em genômica ajudam no diagnóstico e tratamento do câncer

Com informações da Agência Fapesp

Câncer e genética

Há inúmeros estudos associando o câncer a alterações genéticas.

Ou seja, o câncer está geralmente associado a alterações no genoma causadas ao longo da vida pelo envelhecimento, por fatores hereditários ou por agentes externos, como radiação e tabaco.

Somente nos últimos anos, porém, graças à evolução e ao barateamento das metodologias de sequenciamento e de análise do perfil de expressão dos genes, os cientistas estão conseguindo desvendar as alterações específicas por trás de cada tumor.

De posse dessas informações, os médicos podem prever, por exemplo, o grau de agressividade do tumor, sua capacidade de se disseminar para outros órgãos e sua sensibilidade a determinados tipos de drogas - o que permite planejar novas estratégicas terapêuticas de forma personalizada.

Hardware e software genéticos

"As técnicas de sequenciamento de nova geração têm permitido aos pesquisadores, em laboratórios, redefinir as classificações dos tumores com base em critérios moleculares. Essa mudança de paradigma está modificando a estratégia terapêutica dos oncologistas", disse Rogelio González-Sarmiento, do Centro de Pesquisa em Câncer da Universidade de Salamanca (Espanha).

Além das alterações genéticas propriamente ditas - que são aquelas em que ocorre modificação na sequência do DNA, como as mutações pontuais, deleções, inserções e os rearranjos cromossômicos -, as alterações epigenéticas também podem ser causa de câncer, de acordo com Manel Esteller, diretor do Programa de Epigenética do Instituto de Investigação Biomédica de Bellvitge, em Barcelona.

"Podemos imaginar que o genoma é o hardware de nosso computador e a epigenética é o software que faz esse hardware funcionar", disse Esteller.

Por essa razão, acrescentou o pesquisador, gêmeos idênticos podem desenvolver doenças diferentes, apesar de compartilharem o mesmo DNA. "Eles têm o mesmo hardware, mas diferentes softwares. São alterações químicas que regulam a expressão dos genes", disse.

Metilação do DNA

Entre as alterações químicas conhecidas, a mais importante é a metilação do DNA, reação que envolve a adição de um grupo metil (CH3) a determinadas partes do DNA, mudando o padrão de expressão dos genes.

"É um processo fisiológico de regulação dos genes. Por exemplo, as células do nosso cérebro têm o mesmo DNA que as células do nosso coração, mas têm diferentes funções. Em boa medida, isso ocorre graças à metilação do DNA. O que acontece no câncer é que existe uma mudança global na metilação do DNA e isso cria um software corrompido", explicou Esteller.

As causas das alterações epigenéticas são, segundo o pesquisador, muito parecidas com aquelas responsáveis pelas modificações na sequência do DNA. Entre elas uma das mais importantes é o envelhecimento.

"É possível medir a idade biológica de uma pessoa ao analisar o perfil de metilação de DNA. Ao longo da vida passamos por experiências que mudam nossas células. O processo de metilação do DNA diminui e isso deixa os cromossomos mais frágeis e mais fáceis de serem corrompidos", disse Esteller.

Apenas alguns poucos genes - e justamente aqueles responsáveis por nos proteger contra o câncer - passam a sofrer mais metilação devido ao envelhecimento e têm sua expressão bloqueada. "Nos países desenvolvidos, a idade é hoje o maior fator de risco para o câncer", disse.

É claro que as alterações epigenéticas também podem agir no sentido oposto, ajudando o indivíduo a criar resistência e melhorar a saúde:


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Câncer

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?