Bactéria antiviral pode ser arma contra a dengue

Bactéria antiviral pode ser arma contra a dengue
Órgão da mosca da fruta Drosophila melanogaster infetado com bactéria Wolbachia (pequenos pontos azuis).
[Imagem: Luís Teixeira (IGC)]

Estima-se que a Wolbachia seja a bactéria infecciosa mais prevalente na Terra.

Essa bactéria simbiótica reside naturalmente em cerca de 70% de todas as espécies de insetos.

Em 2008, Luís Teixeira e seus colegas do Instituto Gulbenkian de Ciência (Portugal) descobriram que a Wolbachia protege seus hospedeiros de infeções virais.

Desde então, têm sido desenvolvidos vários estudos para investigar as interações entre a Wolbachia e os insetos, procurando novas estratégias que permitam a utilização desta bactéria no controle de doenças transmitidas por mosquitos ou pernilongos, como é o caso da dengue.

Agora, em um artigo publicado na revista científica PLOS Genetics, a equipe do Dr. Luís Teixeira verificou a variabilidade genética de estirpes de Wolbachia em moscas-da-fruta. Todas as moscas que transportam alguma variante de Wolbachia sobrevivem melhor do que as moscas que não têm a bactéria.

Contudo, eles descobriram que as bactérias que conferem maior proteção contra os vírus multiplicam-se até alcançarem uma concentração elevada, muitas vezes encurtando o tempo de vida do hospedeiro.

Isto abre caminho para a identificação das melhores estirpes, ou cepas, a serem utilizadas no biocontrole de doenças transmitidas por mosquitos e pernilongos.

Além disso, a análise de sequências de DNA permitiu a identificação dos possíveis genes que podem desempenhar um papel na multiplicação da Wolbachia e otimizar a proteção contra os vírus.

"Nós descobrimos que algumas das variantes de Wolbachia mais protetoras reduzem a sobrevivência dos seus hospedeiros, sugerindo que pode existir um mecanismo que contrabalança a proteção mediada pela bactéria simbiótica e outros componentes de 'fitness' do hospedeiro. No final, conseguimos compreender melhor como a Wolbachia está evoluindo na natureza," disse Ewa Chrostek, principal pesquisadora do projeto.

"As nossas descobertas podem-se integrar na investigação que está atualmente sendo desenvolvida sobre como interromper a transmissão do vírus da dengue entre pessoas, introduzindo na natureza pernilongos infectados com Wolbachia. Ao conhecer melhor a variabilidade genética das variantes de Wolbachia, pode-se usar a estirpe mais eficiente nesta estratégia de biocontrole. Além disso, este trabalho ajuda a prever a evolução da Wolbachia nestas populações alteradas de mosquitos," disse o professor Luís Teixeira.


Ver mais notícias sobre os temas:

Bactérias

Vírus

Infecções

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.