Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

20/12/2013

Bactéria antiviral pode ser arma contra a dengue

Com informações do IGC
Bactéria antiviral pode ser arma contra a dengue
Órgão da mosca da fruta Drosophila melanogaster infetado com bactéria Wolbachia (pequenos pontos azuis).[Imagem: Luís Teixeira (IGC)]

Estima-se que a Wolbachia seja a bactéria infecciosa mais prevalente na Terra.

Essa bactéria simbiótica reside naturalmente em cerca de 70% de todas as espécies de insetos.

Em 2008, Luís Teixeira e seus colegas do Instituto Gulbenkian de Ciência (Portugal) descobriram que a Wolbachia protege seus hospedeiros de infeções virais.

Desde então, têm sido desenvolvidos vários estudos para investigar as interações entre a Wolbachia e os insetos, procurando novas estratégias que permitam a utilização desta bactéria no controle de doenças transmitidas por mosquitos ou pernilongos, como é o caso da dengue.

Agora, em um artigo publicado na revista científica PLOS Genetics, a equipe do Dr. Luís Teixeira verificou a variabilidade genética de estirpes de Wolbachia em moscas-da-fruta. Todas as moscas que transportam alguma variante de Wolbachia sobrevivem melhor do que as moscas que não têm a bactéria.

Contudo, eles descobriram que as bactérias que conferem maior proteção contra os vírus multiplicam-se até alcançarem uma concentração elevada, muitas vezes encurtando o tempo de vida do hospedeiro.

Isto abre caminho para a identificação das melhores estirpes, ou cepas, a serem utilizadas no biocontrole de doenças transmitidas por mosquitos e pernilongos.

Além disso, a análise de sequências de DNA permitiu a identificação dos possíveis genes que podem desempenhar um papel na multiplicação da Wolbachia e otimizar a proteção contra os vírus.

"Nós descobrimos que algumas das variantes de Wolbachia mais protetoras reduzem a sobrevivência dos seus hospedeiros, sugerindo que pode existir um mecanismo que contrabalança a proteção mediada pela bactéria simbiótica e outros componentes de 'fitness' do hospedeiro. No final, conseguimos compreender melhor como a Wolbachia está evoluindo na natureza," disse Ewa Chrostek, principal pesquisadora do projeto.

"As nossas descobertas podem-se integrar na investigação que está atualmente sendo desenvolvida sobre como interromper a transmissão do vírus da dengue entre pessoas, introduzindo na natureza pernilongos infectados com Wolbachia. Ao conhecer melhor a variabilidade genética das variantes de Wolbachia, pode-se usar a estirpe mais eficiente nesta estratégia de biocontrole. Além disso, este trabalho ajuda a prever a evolução da Wolbachia nestas populações alteradas de mosquitos," disse o professor Luís Teixeira.


Ver mais notícias sobre os temas:

Bactérias

Vírus

Infecções

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?