Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/01/2013

Leite materno tem mais de 700 espécies de bactérias benéficas

Redação do Diário da Saúde
Leite materno tem mais de 700 espécies de bactérias
A maior quantidade de bactérias - mais de 700 espécies - foi encontrada no colostro, a primeira secreção das glândulas mamárias, logo após o parto.[Imagem: Janice Carr]

Microbioma do leite materno

O leite materno parece ser o alimento mais puro que existe.

Por isso pode parecer surpreendente a descoberta feita por cientistas espanhóis.

Traçando a microbiota bacteriana do leite humano, eles rastrearam mais de 700 espécies de bactérias.

E não é que as amostras do leite materno estivessem contaminadas: essas bactérias são essenciais para o desenvolvimento da flora bacteriana do bebê e do seu sistema imunológico.

Colostro

María Carmen Collado e Alex Mira usaram uma técnica baseada no sequenciamento maciço de DNA para identificar o conjunto de bactérias contidas no leite materno - o chamado microbioma.

Os resultados permitirão pela primeira vez determinar as variáveis pré e pós-natal que influenciam a riqueza microbiana do leite e sua influência no desenvolvimento do bebê.

A maior quantidade de bactérias - mais de 700 espécies - foi encontrada no colostro, a primeira secreção das glândulas mamárias, logo após o parto.

Os cientistas também analisaram o leite materno aos três e aos seis meses de amamentação.

Os gêneros mais comuns de bactérias encontradas nas amostras de colostro foram Weissella, Leuconostoc, Staphylococcus, Streptococcus e Lactococcus.

No leite entre o primeiro e o sexto mês de amamentação foram observadas principalmente bactérias típicas da cavidade oral, como Veillonella, Leptotrichia e Prevotella.

Efeitos negativos da obesidade e cesariana

O estudo revelou ainda que o leite de mães com sobrepeso ou aquelas que ganharam mais peso do que o recomendado durante a gravidez contém uma menor diversidade de espécies bacterianas.

O tipo de parto também afeta o microbioma do leite materno: o leite de mães que deram à luz por uma cesariana planejada é diferente e não é tão rico em microrganismos como o de mães que tiveram um parto vaginal.

De forma um tanto surpreendente, quando a cesariana não é planejada, ou seja, quando a realização do procedimento cirúrgico é decidida durante o parto, a composição do leite é muito semelhante ao de mães que têm parto normal.

Isto sugere que o estado hormonal da mãe no momento do parto também desempenha um papel no microbioma do leite: "A ausência de sinais de estresse fisiológico, bem como sinais hormonais específicos para o parto, podem influenciar a composição e a diversidade microbiana do leite materno," afirmam os autores.

Metabólico ou imunológico

Uma vez que as bactérias presentes no leite materno constituem a etapa inicial de contato com os microrganismos que colonizam o sistema digestivo do bebê, os pesquisadores agora estão trabalhando para descobrir se o papel das bactérias é metabólico (ajudando o lactente a digerir o leite, por exemplo) ou imunológico (ajudando a distinguir entre organismos benéficos e invasores).

Segundo eles, a descoberta será importante para diminuir os riscos de alergias, asma e doenças autoimunes nos bebês.


Ver mais notícias sobre os temas:

Amamentação

Cuidados com o Recém-nascido

Gravidez

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?