Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

28/05/2012

USP criará banco de dados genéticos e de células-tronco de pacientes

Redação do Diário da Saúde

Bancos genéticos

Há poucos dias, cientistas da USP e da UFRJ anunciaram a intenção de criar um banco de células-tronco coletadas da população.

Agora, uma outra equipe, também sediada na USP e ligado ao Instituto de Biociências da universidade, anunciou que pretende criar um banco de dados de doenças genéticas raras da população brasileira.

Os dados clínicos e as informações genômicas serão obtidos a partir dos exames feitos nos pacientes atendidos pelo Centro de Estudos do Genoma Humano (CEGH).

Além dos dados do DNA, serão armazenadas também células-tronco dos pacientes.

Em nenhuma das duas iniciativas está claro se os pacientes terão que concordar com o arquivamento de seus dados nestes bancos de dados genéticos.

Doenças genéticas

O CEGH (Centro de Estudos do Genoma Humano) já atendeu cerca de 80 mil pessoas pertencentes a famílias afetadas por doenças genéticas desde que foi fundado, em 2000.

As doenças genéticas consideradas raras envolvem doenças neuromusculares, malformações congênitas, obesidade de causa genética, autismo e até déficit cognitivo.

Os pesquisadores desenvolveram um programa para registro dos dados genéticos não apenas dos pacientes, mas também de seus familiares.

"O software facilitará o acompanhamento e a seleção de pacientes para as pesquisas sobre doenças genéticas que realizamos", disse Maria Rita dos Santos e Passos-Bueno, pesquisadora do CEGH, em entrevista à Agência FAPESP, que é financiadora da iniciativa.

Baterias de exames

De acordo com a pesquisadora, um dos principais objetivos do programa é controlar o fluxo de exames clínicos e moleculares dos pacientes e de seus familiares, que são bastante diversificados e parametrizados.

Esses exames normalmente são feitos em baterias de até 30 exames, por uma questão de economia, já que a realização de exames individualizados é muito caro.

"O software cobre um ciclo que começa com a coleta do material do paciente até a expedição do resultado do laudo, e tem como objetivo apoiar a decisão dos pesquisadores do CEGH em relação à escolha de pacientes, por exemplo, para um acompanhamento mais próximo", disse João Eduardo Ferreira, membro da equipe.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Ética

Exames

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão