Fiocruz detecta vírus zika na saliva

Beijar dá zika

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) confirmou a presença do vírus zika ativo, com potencial de provocar a infecção, em amostras de saliva e de urina de pacientes.

Foram analisadas amostras referentes a dois pacientes, sendo as coletas realizadas durante a apresentação de sintomas compatíveis com o vírus zika.

A presença do material genético do vírus foi confirmada pela técnica RT-PCR em Tempo Real. Também foi realizado o sequenciamento parcial do genoma do vírus.

Sobrevivência do vírus no estômago

A presença do vírus, no entanto, não é suficiente para concluir definitivamente que o contato com a saliva ou urina pode infectar outras pessoas, embora os indícios sejam muito fortes.

Para isso será necessário identificar casos em que a transmissão efetivamente se deu.

Isto porque há outros fatores que podem atuar no processo, como, por exemplo, o tempo de sobrevivência do vírus zika na saliva e se, após passar pelos sucos gástricos no estômago, ele mantém sua capacidade de infectar as pessoas.

Cautela

Contudo, a recomendação dos especialistas da Fiocruz é de cautela e de prevenção, com orientações conhecidas para outras doenças, como evitar compartilhar objetos de uso pessoal (escovas de dente e copos, por exemplo) e lavar as mãos.

Os maiores cuidados devem ser tomados pelas mulheres grávidas, devido ao risco de microcefalia nos bebês, que também devem tomar cuidados adicionais para se proteger contra o mosquito Aedes aegypti.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vírus

Higiene Pessoal

Prevenção

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.