Biofio cria células cardíacas artificiais em laboratório

Biofio cria células cardíacas artificiais em laboratório
Diversos nanofios são montados em uma estrutura (ao fundo) para permitir o crescimento de um número suficiente de cardiomiócitos, que passam a pulsar autonomamente depois que são retirados do aparelho.
[Imagem: Milica Radisic]

Um "biofio" - um fio elétrico que não é metálico, mas biológico - está ajudando a desenvolver células cardíacas em laboratório.

Estas células poderão ser usadas como implantes ou "curativos" para tratar uma série de doenças do coração.

A Dra. Milica Radisic, da Universidade de Toronto, no Canadá, explica que não se pode obter cardiomiócitos - as células cardíacas - para tratamentos retirando-as de doadores.

Assim, a saída é cultivar essas células artificialmente em laboratório, uma tarefa que tem-se mostrado extremamente difícil.

Coração em um fio

A abordagem desenvolvida pela equipe canadense consiste em imitar os batimentos cardíacos do feto humano em desenvolvimento, replicando condições que permitem que as células-tronco se diferenciem em células cardíacas perfeitas.

Esses "batimentos" artificiais são na verdade pulsos elétricos ritmados transmitidos ao longo de um biofio, uma estrutura produzida a partir da seda do bicho-da-seda.

O biofio funciona como um marcapassos, estimulando as células a crescer, interconectar-se e começar a bater espontaneamente, seguindo o ritmo da pulsação induzida eletricamente.

A chave para o sucesso da maturação das células cardíacas, segundo os pesquisadores, está na forma como os pulsos são aplicados.

A técnica consistiu em imitar as condições que ocorrem naturalmente no desenvolvimento biológico - em essência, simular a forma como os batimentos cardíacos fetais se comportam antes do nascimento, aumentando paulatinamente a pulsação no biofio de zero até 360 batimentos por minuto ao longo do processo.

"Um dos maiores desafios para transplantar esses curativos é fazer as células sobreviverem," disse a Dra. Sara Nunes, coautora do trabalho. "Para isso, elas precisam de vasos sanguíneos. Nosso próximo desafio será colocar a vascularização juntamente com as células cardíacas."


Ver mais notícias sobre os temas:

Coração

Células-tronco

Equipamentos Médicos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.