Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

01/09/2016

Brasil desenvolverá próteses ortopédicas sob medida

Com informações da Agência Brasil

Nióbio e titânio

O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de São Paulo está desenvolvendo um projeto para a criação de próteses ortopédicas diferenciadas, com características mais parecidas com ossos humanos.

Os materiais utilizados na prótese são ligas de nióbio-titânio (Nb-Ti) e titânio-nióbio-zircônio (Ti-Nb-Zr).

As próteses serão confeccionadas sob medida, de acordo com cada paciente, por meio de uma técnica conhecida como manufatura aditiva, ou impressão 3D, na qual um laser funde o metal que vai sendo depositado na forma de um pó, camada por camada, dispensando o uso de moldes.

Essa técnica trabalha com diversas combinações de materiais, de acordo com a funcionalidade desejada do componente. A ideia é identificar a combinação que mais se aproxime das características do osso humano.

Próteses sob medida

"As próteses hoje são construídas por um processo convencional que é por usinagem, ou seja, você pega uma peça bruta, vai usinando, tirando material dela até chegar no formato que você quer. Então, o cirurgião, quando vai fazer um procedimento, ele tem uma maleta com parafusos e outras peças para colocar no paciente e nem sempre essas peças se encaixam perfeitamente na pessoa, então têm de ser feitos ajustes às vezes na hora da cirurgia," explicou o pesquisador João Batista Ferreira Neto.

Com a nova técnica, partindo de exames como tomografia ou ressonância magnética do paciente, cria-se em computador um desenho tridimensional da peça exatamente nas dimensões requeridas para se encaixar no corpo do paciente, dispensando qualquer alteração, ou seja, serão próteses feitas sob medida.

Segundo o pesquisador, a liga clássica utilizada para próteses é a titânio-alumínio-vanádio, mas existem alguns estudos dizendo que alumínio e vanádio podem ser prejudiciais à saúde do paciente com o passar do tempo. Ele afirmou que as ligas titânio-nióbio-zircônio são mais biocompatíveis e têm resistência mecânica mais próxima do osso.

Já a manufatura aditiva permite que se produza uma peça com porosidade próxima da porosidade do osso. "Combinamos duas coisas: um material mais biocompatível, que é o nióbio com o titânio, e a manufatura aditiva permite obter essa peça com características mais próximas da resistência mecânica, mais próxima de um osso humano".


Ver mais notícias sobre os temas:

Próteses

Nanotecnologia

Implantes

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?