Brasil tem laboratório certificado para contaminação por mercúrio

Metilmercúrio

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) aprovou o Laboratório de Especiação de Mercúrio Ambiental (Lema) para a certificação de teores de elementos-traço em tecido biológico de molusco (Gafrarium tumidum).

O laboratório pertence ao Centro Nacional de Tecnologia Mineral (Cetem), no Rio de Janeiro.

A unidade está capacidade para quantificar o mercúrio total e o metilmercúrio, que tem sido associado a casos de autismo.

O Lema/Cetem foi um de 12 laboratórios internacionais convidados pela AIEA, sendo que nove foram certificados. O reconhecimento é fruto do trabalho das pesquisadoras Patrícia Araújo, Lílian Maria Domingos, Júlia Souza e Ana Maria Garcia Lima.

Cromatografia e espectrofotometria

O critério de seleção dos participantes foi baseado na aplicação de sistemas de qualidade, utilização de métodos validados, aplicação de conceitos de incerteza e traceabilidade.

O projeto brasileiro obteve bom desempenho em exercícios interlaboratoriais anteriores em biota - conjunto de seres vivos de uma região - marinha.

As análises de metilmercúrio são feitas por cromatografia gasosa após extração seletiva com solvente orgânico. As análises de mercúrio total são feitas por espectrofotometria de absorção atômica.


Ver mais notícias sobre os temas:

Contaminação

Sistema Nervoso

Intoxicação

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.