Brasil solicita certificação de erradicação do sarampo

Brasil solicita certificação de erradicação do sarampo
A intensificação das campanhas de vacinação contra a doença foi fundamental para que sua transmissão fosse interrompida no país.
[Imagem: Gutemberg Brito/IOC]

Livres do sarampo

O Brasil pode ser o primeiro país da América Latina a conseguir o certificado de erradicação do sarampo.

A solicitação da declaração e o relatório para comprovação da não transmissão da doença no país há dez anos foram entregues pelo Ministério da Saúde durante a 50ª Reunião do Conselho Diretor da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), realizada em Washington.

Por trás desse esforço, que envolve uma política continuada de vacinação pública e universal, está o trabalho do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Referência nacional na vigilância epidemiológica laboratorial do sarampo no país.

O laboratório confirma ou descarta casos IgM positivos para sarampo no Brasil, define o diagnóstico de cada um e identifica, por métodos moleculares, a origem do vírus responsável pela infecção.

É esse estudo que permite afirmar que as ocorrências no Brasil se limitam a linhagens que circulam no exterior, apontando que o vírus não circula no país e permanece limitado a casos importados.

Ciência na retaguarda

Segundo a pesquisadora Marilda Siqueira, chefe do Laboratório, a detecção de casos esporádicos da doença mostra a eficiência da vigilância epidemiológica na área.

"A identificação de poucos casos de sarampo e por diferentes genótipos é uma situação que considero saudável. Isto significa que a vigilância epidemiológica do país está funcionando bem e é capaz de identificar mesmo um número reduzido de casos importados. Há circulação do vírus em diversos países no resto do mundo e por isso vamos sempre registrar casos importados. Com a investigação que realizamos conseguimos mostrar que os vírus responsáveis por estes casos não ocorrem por mais de dois ou três meses, eles se resolvem na própria comunidade onde o caso inicial surgiu. Ou seja, não há transmissibilidade sustentada", ressalta a pesquisadora.

"O vírus considerado endêmico no Brasil é o do genótipo D6, que circulou na última grande epidemia no país, em 1997. Os casos registrados a partir do ano 2000 foram causados por outros genótipos e estavam relacionados à viagem do paciente ao exterior. Após a identificação, confirmamos que se tratava de genótipos responsáveis por surtos da doença em outros países", explica.

Vacina contra o sarampo

As campanhas de vacinação periódicas foram fatores determinantes nos esforços para a eliminação do sarampo no país.

"A primeira grande campanha de vacinação contra o sarampo foi realizada em 1992. A iniciativa imunizou cerca de 42 milhões de crianças e jovens menores de 15 anos de idade, com cobertura vacinal de 95%. Este foi o ponto de partida para a criação do Programa de Controle e Eliminação do Sarampo", conta Marilda.

"No mesmo ano, houve um compromisso do governo brasileiro em disponibilizar a vacina de maneira homogênea em todo o país. Mais tarde, a tríplice viral foi introduzida, que imuniza contra o sarampo, rubéola e caxumba, foi introduzida gradativamente em todos os estados. Outras campanhas foram realizadas e hoje podemos afirmar que não existe mais transmissão endêmica de sarampo e de rubéola não só no país, como também nas Américas", afirma. "Apesar de os outros países latino-americanos estarem também sem a circulação endêmica desse vírus, o Brasil foi o primeiro a preparar a documentação para entregar à Opas", conclui a pesquisadora.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Vacinas

Exames

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.