Brasil participará de pesquisa internacional sobre câncer de mama

Apoio norte-americano

O Brasil está na expectativa, assim como outros quatro países latino-americanos - Argentina, Chile, Uruguai e México - pela escolha de um projeto de pesquisa único a ser desenvolvido por todos os participantes com apoio financeiro norte-americano. O convite partiu do Instituto Nacional de Câncer (NCI), ligado ao National Institutes of Health dos Estados Unidos.

O grupo brasileiro, coordenado pelo diretor-geral do Instituto Nacional de Câncer - INCA, Luiz Antonio Santini, reúne o próprio INCA, o Hospital do Câncer AC Camargo, o Instituto de Câncer de São Paulo Octavio Frias de Oliveira e o Hospital de Câncer de Barretos. A proposta de pesquisa brasileira é "Protocolo para tratamento de mulheres com diagnóstico de câncer de mama localmente avançado triplo negativo com uso de quimioterapia neoadjuvante com platina".

Câncer de mama triplo negativo

De acordo com o pesquisador do INCA José Cláudio Casali, envolvido no projeto, a proposta brasileira segue a tendência mundial de se priorizar pesquisas sobre o subtipo de câncer de mama triplo negativo. Este subgrupo representa 15% das neoplasias de mama e caracteriza-se pela ausência dos receptores hormonais (estrogênio e progesterona) e HER2, característica que impede a realização da cirurgia sem a aplicação prévia de quimioterápicos. "O fator que justifica pesquisar o câncer de mama localmente avançado são os altos índices de sua ocorrência na América Latina, entre 50% e 80%" , explicou Casali.

Segundo o pesquisador do INCA José Bines, o estudo proposto pelo Brasil prevê a investigação comparativa dos protocolos de tratamento, tendo em vista encontrar os mais eficazes, diminuindo, assim, o custo do tratamento. "Um número maior de pacientes poderá ser atendido pelo SUS", explica Bines, que vislumbra outros benefícios: "É importante conhecer o perfil epidemiológico das pacientes no Brasil e na América Latina que desenvolvem o câncer de mama triplo negativo".

Cartas de Intenções

A parceria foi firmada através de Cartas de Intenções assinadas pelos ministros da Saúde de cada um dos cinco países envolvidos. O coordenador para a América Latina do NCI, Jorge Gómez, anunciou que o tempo estimado para a conclusão da pesquisa, após sua escolha, é de dois anos.

Nesta quinta-feira, 14 de maio, Jorge Gómez, e o representante do Brasil na rede de países latino-americanos, Luiz Antonio Santini, se reúnem em São Paulo para discutir o andamento do projeto, e estarão disponíveis para entrevistas.

Câncer de mama no Brasil

No Brasil, dos 235 mil novos casos de câncer estimados para o sexo feminino em 2009, 49 mil são de câncer de mama, sendo que este tipo de tumor foi o que mais aumentou entre as mulheres nos últimos anos. Em 2006, de acordo com o Ministério da Saúde, 10.950 brasileiras morreram devido ao câncer de mama.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Quimioterapia

Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.