Brasil tem três chaves da pós-modernidade, diz sociólogo

Brasil tem três chaves da pós-modernidade, diz sociólogo
"Vejo nos meus alunos brasileiros: não é mais o eu, é o nós; a comunidade passa a ser mais importante que o indivíduo, que era a marca moderna".
[Imagem: Wikipedia/Jérôme Choain]

Para o sociólogo francês Michel Maffesoli, da Universidade de Sorbonne, o o Brasil é um "laboratório da pós-modernidade".

Segundo o estudioso, o país tem três das cinco chaves para compreender a sociedade contemporânea e acelerar o seu crescimento econômico.

Chaves da pós-modernidade

A primeira chave, segundo Maffesoli, é a criatividade que, na avaliação dele, é uma das marcas da juventude brasileira. "É um momento que, no sentido simples, há uma efervescência, um formigamento". O sociólogo, que é observador atento dos movimentos envolvendo os jovens, entende que essa criatividade é uma das marcas do novo "valor do trabalho" (uma das chaves de sua teoria), que precisa ser apropriado por empresas e gestores.

Outro aspecto apontado pelo sociólogo é a "temporalidade" focada no presente, que atribui ao tempo todas as transformações, em contraposição ao futuro, chave da modernidade.

A terceira chave, de acordo com Maffesoli, é aquela que contrapõe a ideia de individualismo. Para o sociólogo, na contemporaneidade, as pessoas se juntam cada vez mais em tribos, para desfrutar das experiências. "Vejo nos meus alunos brasileiros: não é mais o eu, é o nós; a comunidade passa a ser mais importante que o indivíduo, que era a marca moderna".

As demais chaves são usadas por Maffesoli para explicar as transformações da contemporaneidade. Ele cita o "utilitarismo", por meio da estética compartilhada. "Está emergindo a estetização da existência, das emoções por meio da música e da arte. Tudo é feito para se compartilhar e vibrar junto, como os shows esportivos, musicais e religiosos".

Por fim, a saturação do império da razão, o "racionalismo", com a necessidade atual de "mobilizar afetos".

Trabalho e dinheiro

O sociólogo também destacou que o trabalho e o dinheiro, um dos pilares da sociedade moderna, estão sendo substituídos por produtos da criatividade, como arte e cultura, com potencial muito maior de mobilização.

Como exemplo dessa teoria, ele mencionou uma pesquisa encomendada por uma federação das indústrias da França que concluiu que "os salários não são mais o grande retentor de talentos. As pessoas querem trabalhar em empresas cool [legal, em tradução livre], que mantenham os trabalhadores com políticas de bem-estar".

Maffesoli também abordou o atual modelo educacional, classificado por ele como "podre" por ser vertical. O ideal, sugere, seria uma forma de iniciação, de acompanhamento do aprendiz. "O jeito pós-moderno é horizontal", disse. "De fato, com a tecnologia, são os fóruns de discussão, as redes sociais, como o Facebook que recusam o poder vertical, mas precisam de uma autoridade [o mediador, o administrador] para vingar".


Ver mais notícias sobre os temas:

Qualidade de Vida

Educação

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.