Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

13/11/2014

Brasil tem três chaves da pós-modernidade, diz sociólogo

Com informações da Agência Brasil
Brasil tem três chaves da pós-modernidade, diz sociólogo
"Vejo nos meus alunos brasileiros: não é mais o eu, é o nós; a comunidade passa a ser mais importante que o indivíduo, que era a marca moderna". [Imagem: Wikipedia/Jérôme Choain]

Para o sociólogo francês Michel Maffesoli, da Universidade de Sorbonne, o o Brasil é um "laboratório da pós-modernidade".

Segundo o estudioso, o país tem três das cinco chaves para compreender a sociedade contemporânea e acelerar o seu crescimento econômico.

Chaves da pós-modernidade

A primeira chave, segundo Maffesoli, é a criatividade que, na avaliação dele, é uma das marcas da juventude brasileira. "É um momento que, no sentido simples, há uma efervescência, um formigamento". O sociólogo, que é observador atento dos movimentos envolvendo os jovens, entende que essa criatividade é uma das marcas do novo "valor do trabalho" (uma das chaves de sua teoria), que precisa ser apropriado por empresas e gestores.

Outro aspecto apontado pelo sociólogo é a "temporalidade" focada no presente, que atribui ao tempo todas as transformações, em contraposição ao futuro, chave da modernidade.

A terceira chave, de acordo com Maffesoli, é aquela que contrapõe a ideia de individualismo. Para o sociólogo, na contemporaneidade, as pessoas se juntam cada vez mais em tribos, para desfrutar das experiências. "Vejo nos meus alunos brasileiros: não é mais o eu, é o nós; a comunidade passa a ser mais importante que o indivíduo, que era a marca moderna".

As demais chaves são usadas por Maffesoli para explicar as transformações da contemporaneidade. Ele cita o "utilitarismo", por meio da estética compartilhada. "Está emergindo a estetização da existência, das emoções por meio da música e da arte. Tudo é feito para se compartilhar e vibrar junto, como os shows esportivos, musicais e religiosos".

Por fim, a saturação do império da razão, o "racionalismo", com a necessidade atual de "mobilizar afetos".

Trabalho e dinheiro

O sociólogo também destacou que o trabalho e o dinheiro, um dos pilares da sociedade moderna, estão sendo substituídos por produtos da criatividade, como arte e cultura, com potencial muito maior de mobilização.

Como exemplo dessa teoria, ele mencionou uma pesquisa encomendada por uma federação das indústrias da França que concluiu que "os salários não são mais o grande retentor de talentos. As pessoas querem trabalhar em empresas cool [legal, em tradução livre], que mantenham os trabalhadores com políticas de bem-estar".

Maffesoli também abordou o atual modelo educacional, classificado por ele como "podre" por ser vertical. O ideal, sugere, seria uma forma de iniciação, de acompanhamento do aprendiz. "O jeito pós-moderno é horizontal", disse. "De fato, com a tecnologia, são os fóruns de discussão, as redes sociais, como o Facebook que recusam o poder vertical, mas precisam de uma autoridade [o mediador, o administrador] para vingar".


Ver mais notícias sobre os temas:

Qualidade de Vida

Educação

Relacionamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?