Calendário biológico pode estar na glândula pituitária

Calendário biológico pode estar na glândula pituitária
Alguns animais, como o hamster siberiano, chegam a apresentar variações de aparência no decorrer das estações.
[Imagem: Ben Saer/Frank Scherba]

Relógio biológico

Cientistas acreditam ter descoberto a forma usada pelo corpo para rastrear a passagem das estações do ano, uma espécie de "calendário biológico".

A equipe das universidades de Manchester e Edimburgo (Reino Unido) encontrou um grupo de milhares de células que podem existir tanto em "estado verão" como em "estado inverno".

Em dias mais longos, as células mudam para o "modo verão", ocorrendo o oposto quando passa a anoitecer mais cedo.

Segundo os pesquisadores, esse relógio anual determinaria quando animais procriam e hibernam e, em humanos, poderia alterar o relógio biológico.

Glândula pituitária

O grupo de 17 mil "células-calendário" foi encontrado na glândula pituitária, ou hipófise, que fica na base do cérebro e libera hormônios que controlam processos em todo o corpo.

Segundo a equipe, as células têm um sistema binário, assim como um computador, e podem existir em um dos dois estados - elas podem produzir substâncias químicas de inverno ou de verão.

A proporção de células-calendário em cada estado muda o ano todo, para marcar a passagem do tempo.

"Aparentemente, há um curto período do ano, no meio do inverno e no meio do verão, em que elas estão todas juntas em um estado ou em outro," explicou o professor Andrew Loudon, membro da equipe.

Entretanto, ainda não está claro como o corpo sabe quando é primavera ou outono nos momentos em que as células-calendário estão divididas - algumas no modo verão e outras no modo inverno.

Ritmo circanual

Esse relógio anual, conhecido como ritmo circanual, é uma espécie de primo de longo prazo do ritmo circadiano, que é diário e que nos mantém acordados na hora certa.

O padrão anual é usado para marcar o início dos períodos de migração, hibernação e acasalamento entre os animais.

Tanto o relógio biológico diário como o anual são controlados pela luz. Um exemplo disso é que o hormônio do sono, a melatonina, tem maior produção no inverno, quando os dias são mais escuros.

"Nós sabemos há algum tempo que a melatonina é importante para esses ritmos de longo prazo, mas como e onde isso funciona não ficou claro até agora," afirma Loudon. "O próximo passo é entender como nossas células marcam a passagem do tempo."


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Sistema Nervoso

Cérebro

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.