Camas de bronzeamento artificial são cancerígenas

Camas de bronzeamento artificial são cancerígenas
O uso dos equipamentos de bronzeamento artificial aumenta em até 75% o risco de desenvolver o melanoma - a forma mais fatal do câncer de pele - em pessoas que começam a usar os aparelhos antes dos 30 anos.
[Imagem: Froztbyte]

Lâmpadas ultravioletas e câncer

Um estudo da Agência Internacional de Pesquisas do Câncer (IARC, na sigla em inglês) indica que as camas e lâmpadas ultravioletas de bronzeamento artificial são cancerígenas. Anteriormente, a Agência, que faz recomendações à Organização Mundial de Saúde, classificava esses aparelhos de bronzeamento artificial como "prováveis cancerígenos".

A pesquisa, publicada na revista científica Lancet Oncology, eleva esses equipamentos ao nível mais alto dos cancerígenos - conhecido como grupo 1, ao lado do gás mostarda e do arsênio, por exemplo.

Uma pesquisa anterior demonstrou que as próprias mulheres já vinham mudando de atitude em relação às câmaras de bronzeamento artificial - veja Mulheres mudam de atitude sobre bronzeamento artificial.

Risco de câncer de pele

A decisão de alterar a categoria da exposição às lâmpadas e radiação dos equipamentos de bronzeamento artificial foi feita a partir da análise de 20 estudos sobre a relação entre o uso desses aparelhos e o risco de desenvolver o câncer.

Segundo os resultados, o uso dos equipamentos de bronzeamento artificial aumenta em até 75% o risco de desenvolver o melanoma - a forma mais fatal do câncer de pele - em pessoas que começam a usar os aparelhos antes dos 30 anos.

Provas indesejáveis

A Sunbed Association, que representa empresários do setor, afirma que não há provas da relação entre o uso responsável das camas de bronzeamento e o câncer de pele.

Apesar disso, ativistas contra a prática acreditam que a decisão da IARC poderá aumentar a pressão para uma maior regulação da indústria sobre o uso desses aparelhos.

A Sunbed Association apoia a proibição do uso das camas de bronzeamento para adolescentes com menos de 16 anos, mas afirma que mais provas são necessárias para elevar a idade da proibição para 16 ou 17 anos.

Convicção

Jessica Harris, da ONG britânica Cancer Research UK, que trabalha com pesquisas sobre a doença, afirmou que muitos estudos científicos já demonstraram com convicção a relação entre o uso das camas e o câncer de pele.

"Estamos muito satisfeitos que a IARC tenha elevado a categoria de risco das camas de bronzeamento para o nível máximo", disse Harris. "A decisão apoia a recomendação da Cancer Research de evitar as camas de bronzeamento para fins cosméticos. Elas não trazem benefícios à saúde e sabemos que aumentam o risco de câncer", afirmou.

Riscos da superexposição

Kathy Banks, executiva da Sunbed Association, negou as acusações sobre os danos causados pelas camas à saúde.

"A relação entre a exposição à radiação ultravioleta e o aumento no risco de desenvolver o câncer de pele somente ocorre quando há uma superexposição, ou seja, uma queimadura", afirmou Banks.

"No entanto, as pesquisas mostram que 80% dos usuários das camas de bronzeamento artificial sabem dos riscos associados à superexposição aos raios ultravioletas e a maioria usa os aparelhos 20 vezes ou menos por ano", disse.

Um porta-voz do Ministério de Saúde da Grã-Bretanha disse que as camas de bronzeamento artificial são "perigosas". "Precisamos nos certificar de que as pessoas que as usam o façam com segurança. Se necessário, iremos analisar novas leis para proteger os mais jovens", disse.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com a Pele

Câncer

Fotônica

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.