Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

29/09/2012

Cientistas desvendam surgimento do câncer de pâncreas

Com informações de Guta Bacelar

Oncogenes

É necessário de mais de um gene indutor do câncer (oncogene) para ativar a doença no pâncreas.

Um segundo fator cria a "combinação perfeita" que leva à formação de tumores, afirma pesquisadores.

O estudo, publicado no jornal Cancer Cell, contraria a teoria atual de que a mutação no oncogene KRAS é suficiente para iniciar o câncer de pâncreas e ativar o crescimento desenfreado das células.

As descobertas revelam indícios essenciais sobre o desenvolvimento do câncer de pâncreas e explicam porque poucos pacientes se beneficiam das atuais terapias.

As descobertas também trazem ideias sobre como melhorar o tratamento e prevenir o câncer de pâncreas.

Combinação indesejável

Howard Crawford (Clínica Mayo) e Jens Siveke (Universidade Técnica de Munique) descobriram que, para o câncer do pâncreas se formar, o KRAS mutado precisa recrutar um segundo agente, o receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR - epidermal growth factor receptor).

Além disso, um terceiro participante genético, conhecido como Trp53, torna os tumores pancreáticos muito difíceis de tratar.

Os cientistas também descobriram que a presença do EGFR é igualmente observada no câncer de pâncreas iniciado por inflamação pancreática, conhecida como pancreatite.

"Acreditamos que a 'combinação perfeita' necessária para dar origem ao câncer de pâncreas inclui mutações do KRAS e inflamação no órgão, que então atua sinergicamente para ativar o EGFR", diz Howard Crawford.

"O ponto principal é que, sem o EGFR, os tumores não se formam - e nunca se soube disso antes desse estudo", afirma. "Também pensamos que a inflamação no pâncreas tem um grande impacto na ativação do EGFR", afirma.

Câncer de pâncreas

O câncer de pâncreas é uma doença altamente fatal. Até agora, nenhum medicamento foi capaz de visar a proteína KRAS mutante.

O estudo sugere que alguns pacientes, como os que sofrem de pancreatite crônica, podem ser bons candidatos ao tratamento com inibidores do EGFR, como uma forma de combater ou prevenir o câncer de pâncreas.

"As implicações clínicas desse estudo são estimulantes", diz o pesquisador.

O inibidor do EGFR erlotinibe faz parte da terapia padrão para pacientes com câncer de pâncreas, mas exerce efeitos mínimos na população de pacientes como um todo

"Talvez o erlotinibe ou outros inibidores do EGFR poderiam funcionar bem melhor em pacientes nos quais não ocorre uma mutação do TRP53. Também acreditamos que esse tipo de medicamento poderia prevenir a formação do câncer de pâncreas em pacientes com pancreatite crônica, que é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de tumores pancreáticos.

"Essas descobertas nos trazem alguns indícios muito importantes para entendermos como o câncer de pâncreas de desenvolve e progride", diz o pesquisador. "Quanto mais entendermos sobre esses tumores precoces, mais seremos capazes de trabalhar no diagnóstico e na terapia", afirma.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Genética

Quimioterapia

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?