Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

23/09/2014

Maior parte do Brasil tem carência de cirurgiões torácicos

Com informações da Agência Fapesp

Embora o Brasil esteja dentro da média considerada adequada de um cirurgião torácico para cada 250 mil habitantes, a maioria desses profissionais (67%) está concentrada em quatro Estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Nessas regiões são formados 88% dos médicos com essa especialidade.

Um cirurgião torácico dedica-se ao diagnóstico e ao tratamento de uma série de doenças que acometem a região do tórax, realizando desde operações de grande porte (como a remoção de um pulmão comprometido por um tumor) até procedimentos menos complexos, como o tratamento cirúrgico da hiperidrose (suor excessivo).

A média de idade desses profissionais é de 45 anos e apenas 8% dos cirurgiões torácicos brasileiros são do sexo feminino; 60% cursaram escolas públicas e a maioria foi capacitada em hospitais públicos.

Os dados são da pesquisa "Cirurgia Torácica no Brasil: Formação, Migração e Atuação do Cirurgião Torácico Brasileiro", coordenada pelo Dr. Miguel Tedde.

"A grande conclusão [da sondagem] é que temos um processo de distribuição [de profissionais] muito ruim. A pesquisa confirmou o que intuitivamente já sabíamos. Agora temos informações, desde o local de nascimento até onde o cirurgião torácico trabalha," afirmou Tedde.

"Sabemos a migração que ele fez e, assim, conseguimos ter mais ou menos um painel que não existia. Com base nessas informações, dá para fazer planos", disse.

A formação de um cirurgião torácico leva quatro anos, sem contar o tempo da graduação em Medicina. Além de residência em Cirurgia Geral, é preciso fazer residência em Cirurgia Torácica para se obter o título de especialista, afirmou o cirurgião.

De acordo com Tedde, "a literatura médica mostra que o médico tende a se fixar onde estudou ou fez sua formação". Assim, acredita, a abertura de grande número de novas faculdades de Medicina não resolverá o problema da falta de especialistas, porque as novas escolas não estão necessariamente em locais onde faltam médicos.

No ano passado formaram-se 29 novos profissionais em residências de cirurgia torácica reconhecidas no Brasil.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cirurgias

Atendimento Médico-Hospitalar

Educação

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento