Caso suspeito de ebola surge no Paraná

O Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná confirmaram o surgimento de um caso suspeito de infecção pelo vírus ebola.

Trata-se de um homem, de 47 anos, vindo da Guiné, que chegou ao Brasil no dia 19 de setembro. A Guiné é um dos três países que concentram o surto da doença na África.

Ele foi atendido na Unidade de Pronto Atendimento Brasília, em Cascavel (PR), nesta quinta-feira (9), relatando ter sentido febre desde o dia anterior.

Por estar no vigésimo primeiro dia, limite máximo para o período de incubação da doença, ele foi considerado caso suspeito, seguindo os protocolos internacionais para a enfermidade.

Imediatamente após a identificação da suspeita, o paciente foi isolado na unidade e adotadas medidas previstas no protocolo nacional, como a comunicação à secretaria estadual de saúde e ao Ministério da Saúde.

Isto incluiu também o isolamento dos funcionários e enfermeiros que tiveram contato com o paciente. Os funcionários foram proibidos de deixar a UPA, causando um princípio de confusão quando seus familiares foram buscar informações.

O Ministério da Saúde enviou imediatamente uma equipe para Cascavel, por meio da FAB (Força Aérea Brasileira), onde coordenarão as medidas de atendimento e a identificação de possíveis contatos para orientação e controle.

O paciente será transferido, conforme protocolo de segurança, para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro (RJ), referência nacional para casos de ebola.


Ver mais notícias sobre os temas:

Epidemias

Vírus

Atendimento Médico-Hospitalar

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.