Células reprodutivas primordiais são criadas em laboratório

Células reprodutivas primordiais são criadas em laboratório
Este é o "embrioide" no início do aparecimento das células Sox17 positivas (células verdes), que mostram o nascimento da linhagem celular germinal humana.
[Imagem: Walfred Tang/University of Cambridge]

Primeiros passos

Cientistas da Universidade de Cambridge (Reino Unido) usaram células-tronco embrionárias humanas para criar células reprodutivas primordiais - a primeira linhagem das células que chegarão mais tarde no desenvolvimento a se tornar óvulos e espermatozoides.

Embora isto já tivesse sido feito com células-tronco de roedores, a equipe afirma que é a primeira vez que o processo foi realizado de forma eficiente com o uso de células-tronco humanas, ainda que o uso de células-tronco embrionárias humanas seja controverso em todo o mundo.

É importante ressaltar que os cientistas não criaram um óvulo ou um espermatozoide, mas apenas as células que estão na início da cadeia de desenvolvimento que darão origem a essas células reprodutivas ao longo do desenvolvimento natural do feto.

Células reprodutivas primordiais

Quando um óvulo é fertilizado por um espermatozoide, ele começa a se dividir, formando um conjunto de células conhecido como blastocisto, a fase inicial do embrião. Dentro desse aglomerado, algumas células formam a massa celular interna - que vai se desenvolver no feto - e algumas formam a parede exterior, o que vai se tornar a placenta.

As células na massa celular interna são "reinicializadas" para se tornarem células-tronco - células que têm o potencial de se transformar em qualquer tipo de célula no corpo.

Um pequeno número destas células se tornam células germinativas primordiais, com o potencial para se tornarem células germinativas (esperma e óvulos), que mais tarde permitirão que o bebê que agora se forma se torne pai ou mãe. Foram essas células que os cientistas cultivaram em laboratório.

Limitações das cobaias

O experimento serviu para mostrar que há diferenças significativas no desenvolvimento de humanos e dos roedores usados nos experimentos anteriores.

"A criação de células germinativas primordiais é um dos primeiros eventos durante o desenvolvimento dos mamíferos," disse o Dr. Naoko Irie, primeiro autor do experimento, que revelou "diferenças importantes entre o desenvolvimento do embrião em humanos e em roedores que podem significar que descobertas em camundongos e ratos podem não ser diretamente extrapoladas para os seres humanos."

A própria genética já vinha mostrando que há limitações sérias no uso de modelos animais para estudar doenças humanas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Células-tronco

Cobaias

Genética

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.