Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

06/10/2015

Células-tronco totipotentes são produzidas em laboratório

Redação do Diário da Saúde
Células-tronco totipotentes
Uma célula de tipo 2C (verde) é diferente de uma célula-tronco embrionária (magenta).[Imagem: IGBMC/Maria Elena Torres-Padilla]

Células-tronco totipotentes

Já é bem dominada a técnica de obter células-tronco pluripotentes em laboratório (isto é, células capazes de gerar todos os tecidos de um embrião) a partir de qualquer tipo de célula do corpo de um adulto - são as chamadas células-tronco pluripotentes induzidas (iPS).

Agora, pesquisadores do Japão e da França deram um passo adicional.

Eles conseguiram gerar células-tronco totipotentes, ou seja, com as mesmas características das células dos primeiros estágios embrionários.

Logo após a fertilização, quando o embrião é composto por apenas uma ou duas células, essas células são totipotentes, isto é, capazes de produzir um embrião inteiro, além da placenta e do cordão umbilical.

Durante as rodadas subsequentes de divisão celular, as células-tronco totipotentes perdem rapidamente essa plasticidade e tornam-se pluripotentes.

Na fase de blastocisto (composto por cerca de trinta células), as células-tronco embrionárias podem diferenciar-se em qualquer tecido, embora individualmente não possam mais dar à luz a um feto. As células-tronco pluripotentes continuam a especializar-se e formar os vários tecidos do corpo através de um processo chamado diferenciação celular, quando então se tornam tipos específicos de células.

Células tipo 2C

Quando células-tronco pluripotentes são cultivadas em laboratório, uma pequena quantidade de células totipotentes aparece espontaneamente - são as chamadas "células tipo 2C", uma referência à sua semelhança com a fase de embrião de 2 células.

A equipe liderada pelo professor Takashi Ishiuchi descobriu que o DNA é menos condensado nas células totipotentes e que a quantidade do complexo proteico CAF1 é menor.

Uma olhada mais atenta revelou que o CAF1 - já conhecido por seu papel na montagem da cromatina, o estado organizado do DNA - é responsável por manter o estado pluripotente, garantindo que o DNA seja enrolado em torno das histonas.

Com base nessas informações, a equipe foi capaz de induzir um estado totipotente inativando a expressão do complexo CAF1, o que levou a cromatina a se reprogramar em um estado menos condensado, típico das células totipotentes.

Os resultados foram publicados na revista Nature Structural & Molecular Biology.


Ver mais notícias sobre os temas:

Células-tronco

Gravidez

Genética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?