Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

06/11/2013

Cerâmica cicatriza ferimentos graves sem deixar lesões

Redação do Diário da Saúde
Cerâmica cicatriza ferimentos graves sem deixar lesões
O material é muito barato, sua utilização é simples e pode ser aplicado em qualquer dano grave na pele, independentemente da causa. [Imagem: UNAM]

Ferimentos profundos e queimaduras podem ser curados rapidamente e sem cicatrizes usando um tipo especial de "barro".

O "barro", um material cerâmico chamado aluminofosfato, foi desenvolvido por uma equipe de especialistas em cerâmica da Universidade Autônoma de Madri (Espanha).

A capacidade de cicatrização do material cerâmico foi testado com êxito em pacientes diabéticos com lesões muito graves, que corriam risco de amputação.

"Essas pessoas apresentavam ulcerações e problemas de cicatrização, lesões que haviam se agravado a ponto de exigir amputação. No entanto, o uso do aluminofosfato permitiu que as feridas se fechassem, evitando que elas perdessem o pé," disse a Dra. Maria Cristina Piña Barba, líder do projeto.

"O tecido se reconstruiu, recuperou sua textura e espessura normais e até os pêlos cresceram, sem deixar marcas ou causar infecções," acrescentou.

Curativo de cerâmica

O "curativo cerâmico" foi feito a partir de um tipo de material conhecido como zeólitas, um mineral cristalino que possui poros microscópicos.

Esses poros funcionam como uma rede de canais nos quais a água é armazenada, mantendo o tecido seco e sem bactérias.

De acordo com a Dra. Piña Barba, nessas cavidades do aluminofosfato são introduzidas partículas de cálcio e zinco, que desempenham um papel importante na cicatrização da pele, na reepitelização (formação de novas células da pele) e na formação do tecido.

O cálcio regula e coordena a diferenciação de novas células, participando na formação de camadas de gordura e fornecendo proteção.

O zinco, segundo a pesquisadora, age inativando a ação nociva de bactérias, reduz o sangramento, promove o desenvolvimento do tecido cutâneo e regenera a cobertura de pêlos.

O produto poderá ser fabricado na forma de pó e aplicado isoladamente ou em mistura com outros compostos diretamente na lesão.

Segundo a pesquisadora, o material é muito barato, sua utilização é simples e pode ser aplicado em qualquer dano grave na pele, independentemente da causa.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com a Pele

Cirurgias Plásticas

Infecções

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?