Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

12/07/2016

Cerca de 60% dos casos de câncer são curáveis, diz oncologista

Com informações da USP

Cânceres tratáveis

O primeiro número impressiona negativamente: de acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer) 600 mil novos casos de câncer deverão ocorrer entre 2016 e 2017 no Brasil, sobretudo por conta do envelhecimento da população.

O segundo dado, contudo, pode representar um alívio: nos países onde há todas as condições de se tratar a doença, a cura do câncer é possível em aproximadamente 60% dos casos.

E as perspectivas são otimistas, já que a evolução clínica do tratamento oncológico se deu sobretudo nas últimas décadas.

"É tudo muito recente. Tudo o que temos de evolução e melhora se deu nos últimos anos," afirmou Ademar Lopes, especialista em cirurgia oncológica de um dos maiores centros oncológicos do mundo, o A.C. Camargo Cancer Center, em São Paulo. Lopes falou durante um debate promovido pela USP, do qual participou também o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc), Gustavo Fernandes.

Queremos mais

"Estamos andando a passos largos. A mortalidade do câncer vem caindo, por estadiamento [processo que determina a extensão do câncer presente no corpo de uma pessoa e onde está localizado], por localização e idade, entretanto a velocidade da cura não é a que a sociedade deseja. Vale lembrar que, historicamente, começamos há muito pouco tempo a trabalhar para a cura do câncer," acrescentou Lopes.

Ele exemplifica citando que, entre 1985 e 1990, quando se descobria que uma mulher tinha câncer na mama, o procedimento era retirar todo o órgão, o que acabava gerando transtornos estéticos, funcionais e psíquicos muito grandes.

Hoje, com o surgimento e evolução do tratamento multidisciplinar, envolvendo a combinação de cirurgia, radioterapia e quimioterapia, a mulher, na maioria dos casos, remove apenas um quarto da mama, consegue a cura e não sente tão intensamente a mutilação. "A combinação dessas modalidades terapêuticas é muito importante e contribui para maiores taxas de cura e sobrevida."

Taxas de cura e incidência

Lopes afirma que a taxa de cura é menor em casos de câncer mais agressivos, mas que, em contrapartida, já se consegue curar 80% dos casos de cânceres pediátricos, sendo que na década de 80 se curava apenas entre 20% e 25% das ocorrências.

Para ele, em 70% dos casos de câncer diagnosticados há boas perspectivas para o início do tratamento.

Os tipos de câncer com maior incidência no mundo são os de pulmão (1,8 milhão), mama (1,7 milhão), intestino (1,4 milhão) e próstata (1,1 milhão). Nos homens, os mais frequentes são de pulmão (16,7%), próstata (15,0%), intestino (10,0%), estômago (8,5%) e fígado (7,5%). Já em relação às mulheres, a prevalência é o câncer de mama (25,2%), intestino (9,2%), pulmão (8,7%), colo do útero (7,9%) e estômago (4,8%).


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Quimioterapia

Tratamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?