Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

18/05/2015

Chiclete desgruda música grudenta da cabeça

Com informações da BBC

Livrar-se daquela música que "gruda" na cabeça e parece impossível esquecer pode ser tão simples quanto mascar chicletes.

É o que garantem Phil Beaman e sua equipe da Universidade de Reading (Inglaterra).

Segundo os cientistas, o ato de mover a mandíbula interfere com a memória de curto prazo e com a imaginação de sons.

"Quando você tenta lembrar uma canção, usa muitos dos mesmos mecanismos que usaria para se preparar para falar e cantar. E, se você está mascando chiclete, acaba usando esses mesmos sistemas para planejar os movimentos de suas mandíbulas", explicou ele. "Ao forçar essas regiões a permanecer ativas durante o ato de mascar chiclete, elas ficam menos disponíveis para ajudar na geração ou na recordação de uma melodia grudenta."

Música com chiclete

A conclusão veio após um experimento com 98 voluntários, que escutaram as canções Play Hard, de David Guetta, e Payphone, de Maroon 5.

Depois, os pesquisadores pediram aos voluntários que, nos três minutos seguintes evitassem pensar nas canções que haviam escutado; mas, caso pensassem nelas, batessem em uma tecla.

Os que mascavam chiclete disseram ouvir e pensar nas melodias escutadas com frequência três vezes menor.

"Suponho que o efeito será similar se você mastigar o chiclete no momento em que escutar a canção", afirma Beaman.

E outras ações semelhantes que envolvam movimentos da mandíbula e da língua, como comer e falar, também podem ter resultado semelhante.

Pensamentos intrusivos

Além de conter as músicas "grudentas", os pesquisadores investigam se o estudo pode abrir caminho para métodos que ajudem a controlar pensamentos involuntários - de consequências negativas - em pessoas com transtornos psiquiátricos.

"Interferir com o nosso 'discurso anterior' através de uma versão mais sofisticada do que o ato de mascar chiclete pode funcionar em um sentido mais amplo," diz Beaman.

Mas o cientista explica que ainda são necessários mais estudos para avaliar se essas metodologias podem ser úteis para conter sintomas de condutas obsessivo-compulsivas ou distúrbios similares.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Memória

Mente

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão