Cientistas descobrem como apagar memórias traumáticas

Cientistas descobrem como apagar memórias de medo
A descoberta, que não usa medicamentos, poderá levar a novas formas de tratamento de desordens de ansiedade, síndromes do pânico, traumas e fobias.
[Imagem: NYU]

Apagando o medo

Pesquisadores da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, desenvolveram uma técnica não-invasiva para bloquear a manifestação de memórias de medo em humanos e que não se baseia no uso de drogas.

A descoberta, publicada no último número da revista Nature, poderá mudar a forma que encaramos os processos de armazenamento de memórias e poderá levar a novas formas de tratamento de desordens de ansiedade, síndromes do pânico, traumas e fobias.

Tratamento sem remédios

Estudos anteriores demonstraram como bloquear tais memórias, mas envolviam o uso de compostos tóxicos e duravam apenas alguns dias.

No novo método, Elizabeth Phelps e seus colegas evitaram o uso de drogas ao se basear na fase conhecida como "reconsolidação" da memória, na qual memórias antigas podem passar por mudanças.

Após treinar voluntários a sentir medo de certos estímulos visuais, os pesquisadores apresentaram uma nova informação "segura" ao mesmo tempo em que reativavam as memórias de medo. Ao fazer isso, eles conseguiram "reescrever" os pensamentos negativos associados com os estímulos.

Os efeitos da intervenção duraram cerca de um ano e aparentemente não afetaram as memórias que não foram reativadas no momento da introdução da nova informação. Os autores do estudo concluíram que as memórias antigas de medo podem ser atualizadas com informações não amedrontadoras de forma seletiva, sem afetar as demais memórias.

Reescrevendo memórias emocionais

Os resultados reforçam a hipótese de que as memórias emocionais se reconsolidam a cada vez que são recuperadas. E que o período em que o processo ocorre torna as memórias vulneráveis a modificações que podem ser induzidas. Ou seja, pode-se livrar o portador da sensação de medo para aquela determinada memória.

"O momento parece ser mais importante para o controle do medo do que imaginávamos. Nossa memória reflete mais a última vez que foi recuperada do que a exata recuperação do evento original", disse Elizabeth.

Tratamento no momento certo

Além das implicações no tratamento de distúrbios relacionados ao medo, os resultados apontam que o momento das intervenções terapêuticas tem um papel muito importante para o sucesso dos procedimentos.

"Inspirado em estudos básicos em roedores, essa nova descoberta em humanos poderá ser transferida para o desenvolvimento de melhores terapias para o tratamento de distúrbios de ansiedade, como o estresse pós-traumático", disse Thomas Insel, diretor do Instituto Nacional de Saúde Mental, um dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, que financiou a pesquisa.


Ver mais notícias sobre os temas:

Emoções

Memória

Mente

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.