Cientistas descobrem como o estresse atrapalha a tomada de decisões

Cientistas descobrem como o estresse atrapalha a tomada de decisões
O estresse crônico é uma questão importante na sociedade atual e sabe-se que ele leva a uma variedade de problemas de saúde, das úlceras à hipertensão.
[Imagem: NASA]

Decisões pensadas e decisões automáticas

A cada dia nós fazemos uma multiplicidade de decisões com base nas consequências de nossas ações - as chamadas respostas orientadas por objetivos. Em um ambiente sempre em mutação, essa capacidade é crucial para o sucesso de nossa vida em sociedade.

Mas, como ela é complexa, ela exige um bocado do cérebro. Assim, ações repetitivas - como pressionar o botão do elevador - passam a se ligar a outros tipos de respostas neurais, que exigem menos do cérebro.

Se necessário, é sempre possível retornar ao primeiro tipo de resposta.

Estresse deixa pessoa no automático

Mas cientistas portugueses revelaram, em um estudo publicado no último exemplar da revista Science, que o estresse crônico - muitas vezes uma característica da vida moderna - interfere com essa capacidade de retorno à resposta por objetivos, congelando os indivíduos em respostas automáticas.

A descoberta desses efeitos do estresse tem implicações importantes, permitindo um melhor entendimento das patologias relacionadas ao estresse, de como o cérebro funciona em geral, e de questões mais práticas que vão do entendimento do impacto das questões ligadas ao estilo de vida moderno a como evitar más escolhas em situações nas quais o estresse parece ser inevitável.

Efeitos do estresse

O estresse crônico é uma questão importante na sociedade atual e sabe-se que ele leva a uma variedade de problemas de saúde, das úlceras à hipertensão. A maioria de nós já teve uma experiência pessoal de como nossa capacidade de decisão é afetada pelo estresse e quantas decisões erradas nós tomamos em razão disso.

Como exatamente isso acontece é o tema principal do trabalho agora publicado por Eduardo Dias-Ferreira, Nuno Sousa e seus colegas da Universidade de Minho.

Os cientistas analisaram decisões orientadas a objetivos - aquelas nas quais as consequências são levadas em conta - e decisões automáticas - aquelas resultantes do hábito - assim como a alternância entre as duas, e como esse processo de alternância é influenciado pelo estresse.

Alterações no cérebro

Esse efeito está associado com alterações morfológicas no cérebro, onde áreas ligadas a respostas habituais são ampliadas, obtendo uma melhor conectividade neural. O oposto acontece nas áreas que lidam com as respostas orientadas a objetivos, que sofrem atrofias e perdem conexões.

O trabalho tem várias implicações. Ele pode ajudar a explicar porque tantas vezes as doenças relacionadas ao estresse estão associadas com comportamentos compulsivos e vícios.

Técnicas para melhorar as decisões

Mas também, em uma sociedade dominada pelo estresse como a atual, ajuda a entender como o estresse constante pode afetar diretamente nossas escolhas. Isso poderá levar ao desenvolvimento de novas técnicas para lidar com o problema.

"Nós estamos agora focando o nosso trabalho futuro na tentativa de descobrir os mecanismos funcionais e moleculares subjacentes à nossa descoberta, a fim de desenvolver novas estratégias que possam reverter essa influência induzida pelo estresse nos processos de tomada de decisão," explica o Dr. Nuno Sousa.


Ver mais notícias sobre os temas:

Trabalho e Emprego

Sistema Nervoso

Emoções

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.