Cientistas querem descobrir segredos das doenças autoimunes

Cientistas querem descobrir segredos das doenças autoimunes
Pesquisadores brasileiros vão estudar a autoimunidade em crianças para entender processos relacionados às diversas doenças que levam as defesas do organismo à autoagressão.
[Imagem: Ag.Fapesp]

Imunidade do contra

As tireoidites, o vitiligo, o lúpus, o diabetes mellitus tipo 1 e as artrites em geral estão entre as chamadas doenças autoimunes - doenças nas quais, de algum modo, o sistema imunológico da pessoa volta-se contra o próprio organismo.

Apesar de pouco compreendidas pelos cientistas e sem muitos recursos junto à medicina, as doenças autoimunes são consideradas muito comuns, atingindo entre 5% e 7% da população mundial.

Autoimunidade em crianças

Um dos caminhos mais promissores para fazer avançar o conhecimento sobre os complexos processos envolvidos nesse grupo de doenças é o estudo da autoimunidade em crianças.

Aproveitando os casos catalogados no Hospital das Clínicas (HC) da Universidade de São Paulo (FMUSP), que tem registros de 1.200 crianças com doenças autoimunes, um grupo de pesquisadores brasileiros agora começará a estudar as bases moleculares e celulares da autoimunidade em crianças.

O projeto, que acaba de ser iniciado, é coordenado por Magda Carneiro-Sampaio, professora do Departamento de Pediatria da FMUSP. Magda é também Presidente do Conselho Diretor do Instituto da Criança, onde está sendo desenvolvido o projeto em colaboração com o Instituto do Coração (Incor) e com o Hospital do Coração (HCor).

Fatores genéticos

De acordo com Magda, a autoimunidade - distúrbio que leva as defesas do organismo a uma autoagressão e é a base das doenças autoimunes - é mais prevalente entre adultos.

"Mas acreditamos que a manifestação de doenças autoimunes em crianças é determinada por um forte fator genético. A partir dessa hipótese, resolvemos apostar na investigação da autoimunidade de início precoce, já que temos acesso a uma grande população de crianças com doenças autoimunes", afirma ela.

Segundo a professora, muitas das crianças apresentam mais de uma doença autoimune ao mesmo tempo, o que reforça a hipótese do fator genético. "O que o projeto tem de novo é que estamos investigando as doenças autoimunes de modo geral e não apenas uma delas", declarou.

Segredos do timo

Magda explica que o projeto tem três linhas mestras, sendo que a primeira delas é a investigação da relação entre imunodeficiência e autoimunidade. "Há evidências de que algumas imunodeficiências favorecem a manifestação da autoimunidade. A partir daí queremos chegar a estudar a questão genética", disse ela.

A segunda linha de pesquisa é o estudo do timo, órgão pouco conhecido, de acordo com Magda, mas que tem uma relação crítica com as doenças autoimunes. "Os linfócitos que nos autoagridem deveriam ser selecionados para serem destruídos no timo. Por isso muitos cientistas consideram que as doenças autoimunes são, no fundo, defeitos do timo. É crucial entender melhor esse órgão", declarou.

A terceira linha tratará, de acordo com Magda, da questão da genética das doenças autoimunes. "Escolhemos duas doenças - o lúpus e a hepatite autoimune na criança - para realizar um estudo genômico", disse.

Além dessas linhas, há outros subprojetos. "Um deles, por exemplo, prevê a formação de um grande banco com dados relacionados a todos esses grupos de doença. Um outro tratará da qualidade de vida das crianças portadoras de doenças autoimunes, estudando questões como a displidemia e impactos sobre os ossos e dentes", explicou.

Timo das crianças

"Quando precisamos avaliar o funcionamento do fígado, podemos fazer um exame de sangue. No caso do rim, podemos fazer exames de ureia e de creatinina, por exemplo. Mas ainda não há parâmetros consagrados para o estudo do timo. Por isso é fundamental investir nessa linha de estudo funcional do órgão", disse a professora.

Segundo ela, os trabalhos serão iniciados com o estudo do timo em crianças que não têm doenças autoimunes, para estabelecer um padrão normal. Em seguida, a pesquisa passará para o segmento das crianças com cardiopatias congênitas.

"Os bebês têm um timo muito grande e ele fica bem na frente do coração. Assim por questões cirúrgicas, as crianças com cardiopatias congênitas precisam ter o timo extraído. Com isso, vamos poder não só analisar os padrões relacionados com as funções tímicas, mas, com o timo extraído dessas crianças, vamos também ter acesso ao tecido tímico para os estudos. Além disso, vamos poder estudar o que acontece com as crianças sem timo", declarou.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Imunológico

Genética

Sentimentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.