Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

07/11/2014

Cirurgia no cérebro feita através da bochecha

Redação do Diário da Saúde
Cirurgia no cérebro feita através da bochecha
A agulha de níquel-titânio tem a estrutura de uma antena de rádio, com tubos concêntricos que avançam empurrados por ar comprimido, um milímetro de cada vez. [Imagem: David Comber/Vanderbilt University]

Da bochecha ao cérebro

Fazer um furo através do crânio, avançando profundamente no cérebro, até chegar ao ponto necessário para destruir a pequena área onde se originam as convulsões.

Pacientes mais severamente afetados pela epilepsia sabem o quanto um procedimento desses pode ser invasivo, perigoso e exigir um longo período de recuperação.

Para minimizar esses impactos, uma equipe da Universidade de Vanderbilt (EUA) decidiu enfrentar as crises epilépticas de uma forma menos invasiva.

Como a área do cérebro envolvida nas convulsões é o hipocampo, localizado na parte inferior do cérebro, eles desenvolveram um dispositivo robótico que entra no cérebro por baixo, com um furo através da bochecha.

Isso evita a perfuração do crânio e afeta muito menos o cérebro, uma vez que o instrumento cirúrgico chega já mais próximo da área alvo.

Memória de forma

A desvantagem do acesso ao hipocampo pela bochecha é que o caminho é curvo.

Para solucionar esse inconveniente foi necessário desenvolver um novo instrumento cirúrgico, feito de uma liga metálica especial que apresenta "memória de forma" - quando ligeiramente aquecida, a agulha "lembra-se" de seu formato anterior, mudando de forma.

A agulha de níquel-titânio tem a estrutura de uma antena de rádio, com tubos concêntricos que avançam empurrados por ar comprimido, um milímetro de cada vez. Conforme cada seção é liberada, ela é aquecida de forma a assumir a curvatura necessária.

Isto permitiu não apenas guiar o instrumento precisamente ao longo de um caminho curvo, como também abriu a possibilidade de realizar a cirurgia usando uma plataforma robótica que pode operar dentro de um equipamento de ressonância magnética, dando aos cirurgiões uma possibilidade de controle muito maior.

A próxima fase do desenvolvimento do robô cirúrgico consistirá em testes em corpos humanos sem vida.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cirurgias

Cérebro

Neurociências

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?