Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

26/05/2012

Como escolher um cirurgião para operar a próstata?

Redação do Diário da Saúde
Como escolher um médico para operar o câncer de próstata?
O Dr. Jim Hu está desenvolvendo novas técnicas para a cirurgia da próstata que não dependam tanto da habilidade do cirurgião para evitar a impotência sexual e a incontinência urinária.[Imagem: Jim Hu/UCLA]

Tudo depende do cirurgião

Metade dos homens diagnosticados com câncer de próstata precisam passar por uma prostatectomia radical, a remoção cirúrgica da glândula.

A má notícia é que quase a totalidade deles sairá da cirurgia com disfunção erétil e/ou incontinência urinária.

Agora, pela primeira vez, médicos resolveram encarar a situação abertamente e pesquisar porque esses efeitos colaterais graves são tão comuns, comparando os resultados de diferente profissionais.

E, sobretudo, se há como escapar de resultados tão ruins.

E, segundo eles, a chave da questão é: os resultados dependerão basicamente do talento do cirurgião.

Médico gentil e experiente

Os autores do estudo afirmam que a recomendação básica para todos os homens que precisam se sujeitar à prostatectomia radical é: procure um cirurgião "gentil e experiente".

Não gentil no trato pessoal, mas gentil no tratamento com os minúsculos nervos ao redor da próstata, cuja interrupção geram a disfunção erétil e a incontinência.

A interrupção dos nervos é causada quando o médico corta a glândula para extraí-la, sem o cuidado adequado com os nervos ao seu redor.

Quanto à experiência, também há que ser exigente: os pesquisadores recomendam escolher um médico que já tenha realizado pelo menos 1.000 cirurgias de remoção da próstata.

Além disso, outra característica desse profissional a ser verificada pelo paciente é se ele procura aprimoramento profissional em novas tecnologias, como as cirurgias auxiliadas por robôs.

Recuperação da impotência

O estudo demonstra que a maior experiência do cirurgião e o manuseio mais delicado dos nervos minimizaram significativamente a ocorrência de impotência.

Cinco meses depois da cirurgia, a recuperação da disfunção erétil passou de 0 para 33% dos pacientes. Após 12 meses, esse número passou dos 15% normais para 59%.

"Esses resultados são muito bons para os primeiros meses após a cirurgia," afirma o Dr. Jim Hu, da Universidade da Califórnia (EUA), coordenador da pesquisa. "A maioria dos homens continuará a experimentar melhoria na potência erétil até dois anos após a cirurgia."

Auxílio de robôs

"Homens que estão procurando uma cura cirúrgica para seu câncer de próstata têm muito a ganhar observando as nuances exigidas de um cirurgião para evitar a disfunção erétil," garante o médico.

Segundo ele, a formação de um bom cirurgião de próstata depende de treinamento, talento, desejo de melhorar e revisão meticulosa das técnicas mais modernas e dos resultados de cada uma dessas técnicas.

Como a equipe admite que fazer 1.000 cirurgias até começar a fazer cirurgias com menor risco para seus pacientes é algo inaceitável, os pesquisadores prepararam um vídeo demonstrando as técnicas mais recentes, sobretudo as cirurgias assistidas por robôs.

Segundo eles, isso poderá ajudar os cirurgiões mais jovens a obter melhores resultados mais rapidamente e, eventualmente, encurtar suas curvas de aprendizado.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde do Homem

Sexualidade

Cirurgias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Computador avalia sua personalidade melhor que seus amigos

Uma em cada cinco mulheres faz histerectomia sem precisar

Primeira anestesia descoberta em mais de 50 anos

"Tapete voador" de grafeno destrói células de câncer

Abacate reduz colesterol mais que dieta