Coletor menstrual é alternativa ecologicamente correta ao absorvente

Copinho menstrual

Cada vez mais conhecido pelas brasileiras, o coletor menstrual, também chamado de copinho, tem sido usado como alternativa ecologicamente correta ao uso de absorventes e também para as mulheres que têm algum tipo de alergia.

O produto não é novo, existe pelo menos desde os anos 1960, é feito de silicone medicinal, custa em média R$ 100 e há fabricantes que indicam uma duração de até 10 anos.

O copinho é introduzido na vagina para coletar o sangue da menstruação.

A ginecologista Joziani Beghini, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), aconselha que a mulher esvazie o coletor e o higienize com sabão neutro a cada quatro horas e que "nunca permaneça por mais de oito horas com ele introduzido, mesmo que o fluxo seja pequeno".

Antes de usar o produto e depois do ciclo a ginecologista recomenda que ele seja fervido por cinco minutos.

Há uma restrição com relação às mulheres que nunca tiveram relação sexual, de acordo com Joziani, indicando que uso dos coletores pode romper o hímen.

Cuidados

A especialista também aconselha que a mulher não durma usando o coletor e nem com outro tipo de absorvente interno. Ela explica que o sangue é um meio de fácil proliferação de bactérias e por isso não é recomendado que se deixe sangue parado dentro do corpo por muito tempo.

Joziani também alerta que não se deve utilizar o coletor menstrual para coletar o sangramento que permanece após o parto e nem para conter corrimentos ou outras secreções vaginais.

Para Joziani, o coletor menstrual não é nem melhor nem pior que os absorventes tradicionais, internos ou externos, ele é apenas mais uma alternativa para mulheres saudáveis. Porém, ela destaca que por ser feito de silicone medicinal hipoalergênico, as mulheres que têm alergias podem se sentir melhor com ele do que com o tradicional, que esquenta muito.

Para as mulheres que têm problemas ginecológicos, como infecções recorrentes, a especialista recomenda que procurem uma indicação médica específica.

Já com relação a mulheres que nunca tiveram relação sexual, Joziani diz que, se o conceito de virgindade é a manutenção do hímen, o uso dos coletores não é indicada, já que a introdução do produto pode romper a membrana. "Por outro lado, isso não é uma regra, e entendemos que o conceito de virgindade é diferente para cada mulher", ponderou.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Sexualidade

Equipamentos Médicos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.