Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/09/2013

Cientistas desvendam composição química do xixi

Redação do Diário da Saúde
Cientistas desvendam composição química da urina humana
A composição química da urina é de interesse especial não apenas para médicos e nutricionistas, mas também para os cientistas ambientais. [Imagem: Wikimedia Commons/Gracinha Marco Abundo]

Pesquisadores anunciaram ter finalmente determinado a composição química da urina humana.

O estudo, que levou mais de sete anos para ser completado, e envolveu uma equipe de 20 pesquisadores, revelou que a urina humana contém mais de 3.000 produtos químicos - ou metabólitos.

Os resultados deverão ter implicações significativas para a realização de exames médicos, nutricionais e para o teste de novos medicamentos.

Exames de urina

Análises da urina para fins medicinais são documentadas há mais de 3.000 anos.

Na verdade, até o final do século XIX, a análise da urina, usando indicadores como cor, sabor e cheiro - a chamada uroscopia - foi um dos principais métodos de diagnóstico médico para identificar doenças.

Mesmo hoje, milhões de exames de urina são realizados diariamente para identificar distúrbios metabólicos, diagnosticar diabetes, monitorar a função renal, confirmar infecções da bexiga e detectar o uso de drogas ilícitas.

E isto tudo é feito com base apenas no que se conhecia da urina.

"A urina é um biofluido incrivelmente complexo. Nós não tínhamos ideia que poderia haver tantos compostos diferentes [na urina]," disse David Wishart , da Universidade de Alberta (Canadá), membro da equipe.

Composição química da urina

A composição química da urina é de interesse especial não apenas para médicos e nutricionistas, mas também para os cientistas ambientais.

Isso porque ela revela informações importantes não só sobre a saúde de uma pessoa, mas também sobre o que ela comeu, o que ela está bebendo, quais drogas ou medicamentos está tomando e a quais poluentes pode ter sido exposta no seu ambiente.

Para fazer o inventário de metabólitos presentes na urina humana, o grupo vasculhou mais de 100 anos de literatura científica publicada sobre o xixi.

Para ajudar a completar seus dados eles realizaram estudos experimentais usando técnicas de química analítica de última geração, incluindo espectroscopia de ressonância magnética nuclear, cromatografia em fase gasosa, espectrometria de massa e cromatografia líquida.

Banco de dados gratuito

O inventário químico inclui nomes químicos, sinônimos, descrições, estruturas, concentrações e associações com doenças para milhares de metabólitos urinários.

Os dados foram registrados em um banco de dados que ficará disponível gratuitamente para pesquisadores do mundo todo, chamado de Banco de Dados Metabolômico da Urina, ou UMDB (Urine Metabolome DataBase).

O banco de dados gratuitos sobre a urina humana pode ser acessado no endereço www.urinemetabolome.ca.


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Diagnósticos

Laboratórios

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão