Interações online beneficiam comunidades da vida real

Interações online têm efeitos benéficos para comunidades da vida real
Se você acha que o Twitter, o Orkut, o Facebook e outros sites de comunicação e interação online são meras câmaras de eco de conversa fiada e autopromoção, é melhor pensar melhor.
[Imagem: North Carolina State University]

Quando o virtual afeta o real

Se você acha que o Twitter, o Orkut, o Facebook e outros sites de comunicação e interação online são meras câmaras de eco de conversa fiada e autopromoção, é melhor reavaliar seus conceitos.

O alerta é de um grupo internacional de cientistas, em uma pesquisa que contou com a participação do pesquisador brasileiro Luis Rocha.

O trabalho demonstrou como o comportamento na internet afeta positivamente as atividades no mundo real e vice-versa, desvendando os padrões de realimentação da comunicação online.

Efeito bola de neve

Uma das principais conclusões é que a comunicação via web pode criar um "efeito bola de neve" na vida real.

Para compreender a dinâmica da disseminação das informações na internet, o trabalho realizado na Suécia empregou a teoria das redes complexas para estudar um fórum de usuários de serviços de prostituição no Brasil.

Os dados possibilitaram a construção de uma rede que poderá ser utilizada, por exemplo, para o estudo da propagação de doenças sexualmente transmissíveis.

Dinâmica da informação na internet

Segundo Rocha, o estudo é provavelmente o primeiro a demonstrar que o feedback na comunicação online tem impactos em eventos da realidade, que, por sua vez, afetam a dinâmica da informação na internet.

"A maior parte dos fenômenos econômicos na internet tem base na disseminação de informação para os consumidores pelo marketing. No entanto, alguns deles, como a prostituição, são organizados por meio de redes sociais envolvendo tanto consumidores como vendedores. Por essa razão, esse tema é do interesse de grupos como o nosso, envolvidos com o estudo da disseminação social da informação", disse Rocha.

Fórum sobre garotas de programa

O fórum online estudado contém informações sobre garotas de programa e registra relatos dos usuários sobre encontros e comentários sobre os serviços oferecidos em 11 diferentes cidades brasileiras. Os pesquisadores investigaram os contatos entre 6.624 garotas e 10.106 clientes em um período de seis anos.

"Os encontros foram avaliados e categorizados pelos usuários em termos de tipo de atividade sexual realizada. Utilizamos os dados obtidos de diferentes formas, buscando padrões de comportamento dos usuários. Para suprimir a subjetividade dos dados, modelamos essa comunicação do fórum por meio de redes complexas, que é uma abordagem essencialmente interdisciplinar", disse Rocha.

Os pesquisadores montaram uma rede na qual cada cliente e cada garota de programa correspondiam a um vértice. O mapeamento dessa rede complexa gerou dados para uma série de estudos.

Comportamento real e virtual

"Descobrimos que as informações trocadas ali refletem o comportamento dessas pessoas na realidade e esse comportamento, depois, é refletido novamente no site, completando um ciclo fechado que determina, por exemplo, quantos contatos as acompanhantes têm com os clientes", indicou.

Os comentários positivos aumentam o número de futuros contatos, de acordo com o estudo. O alto nível de atividade e a experiência também elevam a reputação da acompanhante. "Foi constatado que essa dinâmica de feedback pode gerar um efeito de bola de neve", explicou.

Propagação de doenças venéreas

Como a rede formada - com uma base de dados de grande escala - inclui informações como a localização geográfica e o tipo de atividade sexual realizada pelos indivíduos, ela poderá ser utilizada para estudos relacionados à propagação de doenças sexualmente transmissíveis, segundo Rocha.

"A transmissão de doenças é fortemente influenciada pela maneira como a rede social é construída. Até agora tínhamos poucos estudos feitos em larga escala para comprovar isso, pois é muito difícil conseguir dados relevantes desse tipo. Esse fórum brasileiro online, nesse sentido, foi um achado de interesse científico muito grande", disse.

O sistema de redes sociais montado pelos pesquisadores, segundo Rocha, poderá ter aplicações também para a análise do impacto econômico da prostituição, além de poder ser adaptado para outros tipos de atividades.

O estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), foi realizado por dois físicos da Universidade de Umeå - Petter Holme e o brasileiro Luis Rocha - e por um sociólogo da Universidade de Estocolmo, Fredrik Liljeros.


Ver mais notícias sobre os temas:

Relacionamentos

Sexualidade

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.