Consumo de medicamento para hiperatividade aumenta 75% no Brasil

Dependência física ou psíquica

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou estudo mostrando que o uso do metilfenidato, medicamento usado no tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), aumentou 75% entre crianças e adolescentes com idades de 6 e 16 anos de 2009 a 2011.

Ampliando a faixa etária entre 6 e 59 anos, houve um aumento de 27,4% no mesmo período.

O metilfenidato é um medicamento de tarja preta, ou seja, só pode ser comprado com receita médica.

A tarja traz o alerta de que o medicamento pode causar dependência física ou psíquica.

Segundo o levantamento da ANVISA, entre os prescritores do medicamento, há um predomínio de médicos que se dedicam à assistência à criança e ao adolescente e dos que tratam de distúrbios estruturais do sistema nervoso.

Exageros

De acordo com a ANVISA, o TDAH é um dos transtornos neurológicos do comportamento mais comuns da infância.

Contudo, tem havido uma crítica crescente dentro da própria comunidade médica acerca do excesso de diagnósticos de TDAH, afirmando que a medicalização de crianças está transformando modo de ser em doença.

Para a ANVISA, o diagnóstico do TDAH é complicado pela ocorrência de comorbidades (ocorrência simultânea de dois ou mais problemas de saúde em um mesmo indivíduo), como dificuldades de aprendizagem, transtornos de conduta e de ansiedade.

Por isto o diagnóstico e depende fortemente de relatos dos pais e professores para ser identificado. Nenhum exame laboratorial confiável faz o diagnóstico desse transtorno.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Memória

Meditação

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.