Controle da asma é mais eficaz se paciente conhece a doença

Conhecer a asma

Pacientes com asma que sabem mais sobre a doença, seus sintomas e seus remédios conseguem ter um controle mais eficaz da asma e, como consequência, melhor qualidade de vida.

"Conhecer a doença é fundamental no tratamento", explica a fisioterapeuta Luciene Angelini, da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Ela conta que a implantação de um programa de educação com automanejo, que enfatize a participação do paciente na automonitorização da doença e no auto-ajuste da medicação, associado a visitas médicas regulares, tem um impacto positivo no controle clínico de asmáticos.

"A educação em saúde é um tratamento não medicamentoso que deve ser recomendado e incentivado no manejo das doenças crônicas", assinala.

Automonitoramento

Em seu estudo, Luciene trabalhou com três grupos de pacientes. O primeiro não foi submetido ao programa educativo, enquanto o segundo recebeu aulas para entender melhor a técnica inalatória, o que é a doença e seus sintomas, o que pode agravá-la e a diferença entre a medicação de manutenção e a de resgate.

O terceiro grupo, além das aulas, realizou a automonitorização da doença, por meio de um diário de sintomas, medidas regulares do pico de fluxo expiratório (aparelho que mede o ar que sai do pulmão) e um plano de ação por escrito para ajuste da terapia medicamentosa.

Os pacientes que receberam as aulas educativas aumentaram o conhecimento sobre a asma e sobre a técnica inalatória em 100% e os pacientes que também realizaram o automanejo atingiram quase 50% no controle da asma, ou seja, tiveram os sintomas, como falta de ar, chiado no peito, tosse e sensação de aperto no peito, diminuídos.

"Eles passaram a faltar menos na escola e no trabalho, reduziram o uso de corticoide oral e de medicação de resgate, bem como o número de idas ao serviço de emergência, internações e admissão hospitalar", destaca Luciene, que completa: "Os sintomas de ansiedade também diminuíram e tudo leva a uma melhora da qualidade de vida."

Asma

A asma é uma doença crônica que não tem cura, mas tem controle quando tratada adequadamente.

"A medicação de resgate, por exemplo, ajuda abrir os brônquios no momento de crise, mas não trata a inflamação (doença)", relata Luciene.

Segundo ela, muitas pessoas não sabem que o broncodilatador é medicação de resgate e o usam indiscriminadamente. "Se soubessem para que o medicamento é indicado, tornariam o tratamento mais eficaz", pondera.

Luciene acredita que campanhas educativas de prevenção, promovidas pelos governos, e a distribuição de cartilhas nos postos de saúde já ajudariam na explicação da doença e no aumento do conhecimento da asma por quem a possui.

Além disso, os próprios médicos poderiam incentivar o paciente a monitorar os sintomas e os pacientes, por sua vez, deveriam questioná-los para tirar suas dúvidas. A busca de informações em sites também é uma ferramenta. No site do Instituto do Coração, por exemplo, é possível acessar a vídeos com informações de como usar inaladores corretamente.

Perguntas sobre a asma

Enquanto a prática da educação em saúde não se torna tão comum, Luciene enumera cinco perguntas básicas que acredita que um paciente com asma deva saber responder:

O que é asma?

A asma é uma doença inflamatória crônica dos brônquios, que não tem cura, mas tem controle se tratada adequadamente - assim como ocorre com outras doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, colesterol elevado etc.

Quais são os fatores desencadeantes da asma?

São vários, como por exemplo: alterações climáticas, predisposição genética, contato com a poeira doméstica, mofo, pólen, contato com animais (cachorro, gato, papagaio...), cheiros fortes (como produto de limpeza, perfume) e fumaça de cigarro.

A ingestão de alguns alimentos ou medicamentos, gripes ou resfriados e fatores emocionais (emoção/raiva/tristeza) também podem ser citados, dentre muitos outros.

Por isso é importante observar quais desses fatores, incluindo outros não citados, podem levar à crise de asma no paciente, e assim prevenir e evitá-los com um controle ambiental adequado.

"Se elas buscarem estas respostas, conseguirão manejar e melhorar sua doença de forma mais eficaz", conclui a pesquisadora, que foi orientada pelo professor Rafael Stelmach.

Quais são os sintomas da asma?

Os principais sintomas são:

  1. falta de ar
  2. chiado no peito
  3. tosse
  4. sensação de aperto no peito
  5. acordar à noite ou no inicio da manhã com esses sintomas

Qual a diferença entre o medicamento de manutenção e o medicamento de resgate?

A medicação de manutenção, os corticoides inalatórios, é usada para tratar a inflamação (lembrando que a asma é uma doença inflamatória) e deve ser usada a longo prazo para prevenir as crises de asma.

A medicação de resgate, os broncodilatadores, é uma medicação que ajuda abrir os brônquios e deve ser usada apenas no momento de crises, pois esta não trata a inflamação.

Como usar os dispositivos inalatórios?

Atualmente há inúmeros dispositivos inalatórios (nebulímetro/"bombinha", diskus, turbohaler, handihaler, aerolizer), por isso é importante sempre perguntar a um profissional da saúde como usá-los corretamente.

Luciene dá algumas dicas, ressaltando que são instruções preliminares e que a orientação completa e mais adequada a cada caso deve ser sempre dada pelo profissional de saúde que atende o paciente.

Dispositivo aerossol dosimetrado com espaçador (Bombinha COM uso de espaçador):

  1. Tirar a tampa do dispositivo
  2. Encaixar o espaçador
  3. Agitar bem o dispositivo
  4. Soltar todo o ar
  5. Colocar o espaçador na boca
  6. Disparar um jato
  7. Puxar o remédio lentamente com a boca aberta
  8. Segurar a respiração após inalar o remédio
  9. Contar até 10 e depois soltar todo ar
  10. Se for necessário outro jato esperar alguns minutos

Dispositivo aerossol dosimetrado sem espaçador (Bombinha SEM o uso de espaçador):

  1. Tirar a tampa do dispositivo
  2. Agitar bem o dispositivo
  3. Deixar espaço entre a boca e a bombinha (aproximadamente dois dedos)
  4. Soltar todo o ar
  5. Disparar um jato
  6. Puxar o remédio lentamente com a boca aberta
  7. Segurar a respiração após inalar o remédio
  8. Contar até 10 e depois soltar todo ar
  9. Se for necessário outro jato esperar até um minuto.

Dispositivo em pó

  1. Tirar a tampa do dispositivo
  2. Acionar o dispositivo corretamente (aqui depende qual medicação foi prescrita)
  3. Soltar todo o ar
  4. Colocar o dispositivo na boca
  5. Puxar o remédio rápido e forte
  6. Segurar a respiração após inalar o remédio
  7. Contar até 10 e depois soltar todo ar
  8. Se for necessário outra dose/cápsula esperar até um minuto.

APÓS O USO NÃO ESQUEÇA DE ENXAGUAR A BOCA E MANTER A HIGIENE DOS DISPOSITIVOS.


Ver mais notícias sobre os temas:

Tratamentos

Sistema Respiratório

Educação

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.