Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

24/03/2015

Coração dentro de um chip bate de verdade

Redação do Diário da Saúde

Coração em um chip

Quando os bioengenheiros da Universidade de Berkeley (EUA) afirmaram que estavam com o coração na palma das suas mãos, eles não estavam falando de questões emocionais.

Kevin Healy e seus colegas estavam na verdade apresentando um "coração em um chip", uma rede de células musculares cardíacas totalmente funcionais, pulsantes, alojadas dentro de um dispositivo microfluídico de silício de forma a imitar a disposição das células humanas no órgão real.

Apenas 24 horas depois que as células cardíacas foram colocadas dentro da minúscula câmara, elas começaram a bater por conta própria a uma taxa normal de 55 a 80 batimentos por minuto.

"Este sistema não é uma simples cultura de células, onde o tecido está sendo mergulhado em um líquido estático," disse Anurag Mathur, membro da equipe. "Nós projetamos este sistema para que ele seja dinâmico. Ele replica como o tecido em nossos corpos fica exposto a nutrientes e medicamentos."

Coração dentro de um chip bate de verdade
Dentro do chip, as células cardíacas começaram a bater por conta própria a uma taxa normal de 55 a 80 batimentos por minuto. [Imagem: Anurag Mathur/Healy Lab]

Melhor que cobaias

O biochip está repleto de células musculares cardíacas humanas, derivadas de células-tronco adultas, imitando de forma efetiva o tecido do coração humano, permitindo saber como o órgão real reage aos medicamentos cardiovasculares sem arriscar a vida dos pacientes e sem depender de modelos animais.

"Em última análise, esses chips podem substituir o uso de animais para analisar candidatos a medicamentos em relação à segurança e eficácia," disse Healy.

A equipe destaca a elevada taxa de falhas associadas com a utilização de modelos animais não-humanos para prever as reações humanas às novas drogas. Por isso várias equipes estão apostando nestes órgãos artificiais, já tendo construído um "pulmão em um chip" e um biochip que imita a asma.

A maior parte dos problemas é devida a diferenças fundamentais da biologia entre as espécies. Por exemplo, os canais de íons através dos quais as células do coração conduzem correntes elétricas variam em número e tipo entre seres humanos e outros animais.


Ver mais notícias sobre os temas:

Biochips

Coração

Cobaias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão