Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/02/2009

Cortar o sal não é a única forma de baixar a pressão sanguínea

Redação do Diário da Saúde

O sal e a pressão sanguínea

Quase todo o mundo sabe que o excesso de sal nos alimentos pode elevar a pressão sanguínea. E sabe também que o elemento causador desses efeitos é o sódio, sendo o sal de cozinha essencialmente cloreto de sódio.

Agora, um novo estudo sugere que as pessoas que estão tentando baixar sua pressão sanguínea podem, além de baixar o consumo de sódio, elevar a ingestão de potássio, que tem o efeito oposto ao do sódio.

A equipe do Dr. Paul Whelton descobriu que a proporção entre sódio e potássio na urina é um indicador muito mais forte do risco de doenças cardiovasculares do que a quantidade individual de sódio ou de potássio.

Atenção no potássio

"Não tem havido muito foco no potássio, mas o potássio parece ser muito eficaz para baixar a pressão sanguínea. A combinação de alta ingestão de potássio e baixo consumo de sódio parece ser mais eficaz do que prestar atenção na quantidade consumida de cada um deles individualmente para se evitar as doenças cardiovasculares," explica o Dr. Whelton, um epidemiologista da Universidade Loyola (Estados Unidos).

Estudo de longo prazo

O estudo envolveu a coleta de urina a cada 24 horas, durante 18 meses, de 2.974 participantes com idades entre 30 e 54 anos que apresentavam pressão sanguínea ligeiramente acima dos níveis normais, mas abaixo de níveis considerados de alto risco.

As coletas e análises foram repetidas uma segunda vez depois de 3 anos. A seguir, os pacientes foram acompanhados por períodos entre 10 e 15 anos para verificar o surgimento de doenças cardiovasculares.

Resultados do sódio

As pessoas com os níveis mais altos de sódio na urina apresentaram um risco 20% maior de sofrerem derrames, ataques cardíacos e outras formas de doenças cardiovasculares em comparação com os voluntários com menores níveis de sódio.

Contudo, mesmo levando em conta a quantidade de participantes e a duração do estudo, esse dado não é forte o suficiente para ser considerado estatisticamente significativo.

Relação entre sódio e potássio

Por outro lado, os participantes com as maiores taxas entre sódio e potássio na urina apresentaram um risco 50% maior de sofrer de doenças cardiovasculares do que aqueles que apresentavam taxas menores. Este indicador sim, é considerado estatisticamente significante.

A maioria dos estudos feitos até hoje sobre os efeitos do consumo de sal sobre a hipertensão tem se baseado no registro da alimentação das pessoas, calculando-se a seguir a quantidade estimada de sódio que eles consomem.

Esta é uma forma de medição menos precisa do que a análise das amostras de urina. Além disso, nenhum desses estudos acompanhou os pacientes por tão longo tempo.

O novo estudo "representa um salto quântico na qualidade dos dados em comparação com os estudos feitos até hoje," diz o Dr. Whelton.

Recomendações sobre a ingestão de sódio e potássio

Com base na nova pesquisa, os cientistas recomendam que as pessoas adultas, com idades entre 19 e 50 anos, consumam não mais do que 2.300 miligramas de sódio por dia - o equivalente a uma colher de chá de sal de cozinha por dia.

Para baixar a pressão sanguínea e anular os efeitos do sal, os adultos devem consumir 4,7 gramas de potássio por dia a menos que a pessoa possua condições clínicas ou tome medicações que contraindiquem a ingestão de potássio.

Esses são valores de referência, calculados pela média. Cada pessoa deve consultar seu médico para que as doses sejam avaliadas segundo suas características individuais.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Coração

Prevenção

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanomaterial antimicrobiano inova odontologia

Composto do café previne obesidade e doenças associadas

HIV pode ser transmitido por instrumentos de manicure?

Pode ser possível "derreter" suas gordurinhas

Descanso mental reforça memória e aprendizado futuro