Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

31/03/2010

Cravo-da-índia é o melhor antioxidante natural que se conhece

Redação do Diário da Saúde
Cravo-da-índia é o melhor antioxidante natural que se conhece
Pesquisa científica mostrou que o cravo-da-índia é o melhor antioxidante natural que se conhece, além de ter outros benefícios à saúde. Várias outras especiarias usadas na dieta mediterrânea foi testadas. [Imagem: SINC]

Antioxidantes naturais

Usar especiarias comuns na dieta mediterrânea pode ser bom não apenas para as pessoas individualmente, mas também para a indústria alimentícia.

Uma pesquisa realizada na Universidade Miguel Hernández, na Espanha, demonstrou que a indústria poderá fabricar alimentos mais saudáveis se tirar proveito dos antioxidantes naturais presentes sobretudo no cravo-da-índia.

Benefícios do cravo-da-índia

Os cientistas identificaram o cravo-da-índia (Syzygium aromaticum) como o melhor tempero antioxidante, devido ao fato de que ele contém altos níveis de compostos fenólicos, além de ter outras propriedades benéficas à saúde.

"Das cinco propriedades antioxidantes testadas, o cravo-da-índia apresentou a maior capacidade de liberar hidrogênio, reduzir a peroxidação lipídica, e foi o melhor redutor de ferro," explica a Dra. Juana Fernández-López, coautora do estudo.

Estes resultados colocam o cravo-da-índia como o melhor antioxidante natural que se conhece.

Especiarias da dieta mediterrânea

"Os resultados mostram que o uso dos antioxidantes naturais presentes nas especiarias utilizadas na dieta mediterrânea, ou os seus extratos, é uma opção viável para a indústria alimentícia, desde que as características organolépticas dos produtos não sejam afetadas," diz a pesquisadora.

"Essas substâncias apresentam elevada capacidade antioxidante, com efeitos benéficos para a saúde," acrescenta ela.

A equipe também avaliou o efeito antioxidante dos óleos de outras especiarias utilizadas na dieta do Mediterrâneo, incluindo o orégano (Origanum vulgare), tomilho (Thymus vulgaris), alecrim (Rosmarinus officinalis) e sálvia (Salvia officinalis).

Por que os alimentos estragam

"A oxidação lipídica é uma das principais razões para a deterioração dos alimentos, e provoca uma redução significativa no seu valor nutricional, assim como a perda do sabor," diz Fernández-López.

Essas alterações levam a uma redução no tempo de vida útil dos alimentos industrializados. Para evitar essa deterioração, a indústria alimentícia acrescenta antioxidantes sintéticos nos produtos.

Químicos nos alimentos industrializados

No entanto, como estes antioxidantes sintéticos são compostos químicos, têm sido levantadas questões sobre a sua potencial toxicidade e a ocorrência de efeitos colaterais na ingestão dos alimentos industrializados.

Como resultado, há um interesse crescente na utilização de produtos à base de vegetais (especiarias, plantas aromáticas e medicinais), com atividade antioxidante em potencial, a fim de substituir os antioxidantes sintéticos por substâncias naturais.

O objetivo do estudo é justamente permitir que essas especiarias sejam incorporadas nos alimentos industrializados, sobretudo nos produtos à base de carne, no papel de antioxidantes naturais.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Dietas e Emagrecimento

Rejuvenescimento

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Chá verde melhora conectividade do cérebro

Terapias contra artrite reumatoide podem causar diabetes, alerta médica

Vaginas produzidas em laboratório são implantadas em pacientes

Xixi com cloro da piscina faz mal mesmo

Brasil desvaloriza parto normal e sagra-se campeão mundial de cesáreas