Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

21/07/2016

Curativo biônico conserta coração após infarto

Redação do Diário da Saúde

Consertar o coração

O tratamento de problemas cardíacos teve grandes avanços recentemente, em particular com o desenvolvimento dos chamados "curativos cardíacos", ou "remendos para o coração".

São faixas de músculo cardíaco construídas por engenharia de tecidos que podem substituir o músculo cardíaco danificado após um ataque cardíaco - essencialmente é uma forma de regenerar o coração após um infarto.

A próxima geração desta tecnologia está agora dando seus primeiros passos, graças ao trabalho de Xiaochuan Dai e Charles Lieber, da Universidade de Harvard (EUA).

Curativo biônico

A novidade é um "andaime" eletrônico em nanoescala, um suporte no qual são semeadas as células cardíacas. Assim, a parte eletrônica interage eletricamente com as células cardíacas de forma controlada, gerando um curativo cardíaco biônico.

"Eu acredito que um dos maiores impactos [da nova tecnologia] será na área que envolve a substituição do tecido cardíaco danificado com retalhos de tecidos pré-formados," explica o Dr. Lieber. "Ao invés de simplesmente implantar um curativo de tecido construído sobre um suporte passivo, nosso trabalho sugere que é possível implantar cirurgicamente um remendo inervado capaz de monitorar e ajustar sutilmente seu desempenho."

O detalhe é que o termo "inervado" usado pelo pesquisador não se refere a nervos de verdade, mas a eletrodos que podem ser controlados eletronicamente.

Curativo biônico conserta coração após infarto
As diversas camadas de células cardíacas que crescem sobre o suporte eletrônico podem ser controladas de forma seletiva por meio dos eletrodos. [Imagem: Xiaochuan Dai et al. - 10.1038/nnano.2016.96]

Choques menores no coração

Uma vez implantado, o curativo biônico poderia funcionar de forma semelhante a um marca-passos, aplicando choques elétricos para corrigir arritmias.

Mas as possibilidades não param por aí.

"Nós demonstramos que podemos mudar a frequência e a direção de propagação do sinal elétrico," explica o médico. "Nós acreditamos que isso pode ser muito importante para controlar a arritmia e outras doenças cardíacas."

Além disso, ao contrário dos marca-passos tradicionais, o remendo cardíaco biônico pode usar seus componentes eletrônicos integrados por todo o tecido para detectar a arritmia muito mais precocemente, o que permitirá operar com tensões muito mais baixas, essencialmente aplicando choques menores ao coração.

O curativo biônico está nos primeiros passos de desenvolvimento, e ainda precisará ser testado in vivo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Coração

Equipamentos Médicos

Robótica

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento