Curativo brilha quando entra em contato com bactérias

Plástico brilha quando entra em contato com bactérias
O polímero "abraça" a bactéria, emitindo uma luz ao mudar de formato.
[Imagem: University of Sheffield]

Plástico que brilha

Pesquisadores da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha, desenvolveram polímeros que brilham quando entram em contato com bactérias.

A descoberta abre caminho para a criação de técnicas de detecção rápida de infecções e avaliação contínua do tratamento de ferimentos.

Para isso, basta que o novo plástico seja posto em contato com o ferimento e iluminado com luz ultra-violeta.

Os pesquisadores afirmam que a maneira mais prática para fazer isso é usar o polímero para criar uma espécie de "curativo inteligente".

Gram-positivas e gram-negativas

O material pode ser incorporado em um gel, para facilitar sua aplicação, sobretudo no tratamento de ferimentos.

O nível de brilho que o plástico alcança indica a gravidade da situação - quanto mais bactérias, maior é o brilho.

Os polímeros são ligados de forma irreversível a fragmentos de antibióticos, que se ligam a bactérias gram-negativas ou gram-positivas - as que causam as infecções mais graves.

Com isto, o mesmo gel pode ser usado para eliminar as bactérias dos ferimentos.

Exemplos de bactérias gram-negativas são Legionella, Salmonella e E. Coli.

Já entre as bactérias gram-positivas responsáveis por infecções estão MRSA, C. difficile, meningitis e peritonitis.

Corante fluorescente

"Os polímeros incorporam um corante fluorescente e são projetados para reconhecer e se ligar às bactérias, colapsando ao seu redor. Esta mudança no formato do polímero gera um sinal fluorescente que podemos detectar usando uma lâmpada UV portátil," disse a professora Sheila MacNeil, uma especialista em engenharia de tecidos.

Atualmente, determinar o nível de infecção bacteriana exige cultivar em laboratório partes coletadas do ferimento, o que leva vários dias para se obter o resultado.

Com o novo polímero, esta verificação passará a ser possível em poucas horas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Infecções

Bactérias

Tratamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.