Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

25/08/2011

Desfibriladores de baixa energia poupam o coração e não doem

Redação do Diário da Saúde
Desfibriladores de baixa energia poupam o coração e não doem
Esta imagem mostra o padrão de excitação espacial-temporal durante a fibrilação cardíaca na superfície do coração, onde o preto indica descanso e o amarelo excitação. O campo de visão é de seis centímetros quadrados.[Imagem: MPI for Dynamics and Self-Organization]

Canhão no coração

Uma equipe internacional de cientistas desenvolveu um novo método de baixa energia para substituir os atuais desfibriladores.

Embora sejam equipamentos essenciais e capazes de salvar vidas, os cientistas afirmam que os desfibriladores atuais são fortes demais - é como usar um canhão para matar uma mosca.

O resultado é que, embora salve vidas, devido à sua alta potência elétrica o aparelho acaba produzindo danos permanentes na musculatura do coração, que depende de correntes elétricas muito tênues para funcionar.

Desfibrilação de baixa energia

Os pesquisadores desenvolveram uma técnica chamada LEAP (Low-Energy Anti-fibrillation Pacing), controle anti-fibrilação de baixa energia, em tradução livre.

A técnica reduz a energia necessária para a desfibrilação em mais de 80% em relação ao método convencional, o que significa que ela pode até mesmo ser indolor para o paciente que usa desfibriladores implantados.

Em um coração saudável, os pulsos elétricos que se propagam por todo o músculo cardíaco, de forma ordenada, controlam os movimentos do órgão: em intervalos regulares os ventrículos e os átrios do coração contraem e relaxam ritmadamente.

No caso de uma arritmia cardíaca, no entanto, os pulsos elétricos podem se propagar por todo o coração caoticamente, desativando o ritmo cardíaco regular e, assim, evitando que o corpo seja devidamente abastecido com sangue. A arritmia cardíaca mais comum é a fibrilação atrial.

Ritmo do coração

Para pacientes que sofrem de fibrilação atrial crônica só há uma solução confiável: a desfibrilação.

O coração é forçado a voltar ao ritmo normal ao receber um pulso elétrico forte, que os pacientes recebem na forma de um "impacto" doloroso, e que pode danificar os tecidos circundantes.

Na nova técnica, um cateter cardíaco cria uma sequência de cinco fracos sinais elétricos no coração. "Apenas alguns segundos depois, o coração volta a bater regularmente," explica Stefan Luther, do Instituto Max Planck, na Alemanha.

Embora o LEAP e a desfibrilação padrão pareçam funcionar de forma semelhante, eles iniciam processos completamente diferentes dentro do coração.

Enquanto o desfibrilador clássico funciona usando um campo elétrico muito forte para estimular todas as células do órgão, o LEAP usa pulsos de baixa energia para sincronizar o tecido.

Por um breve momento, as células cardíacas ficam impedidas de transmitir qualquer sinal elétrico, o que encerra a atividade caótica.

Ao retomar a transmissão, as células voltam a trabalhar de forma ritmada.

Desfibriladores implantáveis

Em princípio, os resultados também se aplicam para a desfibrilação da fibrilação ventricular, uma arritmia com risco de vida, que hoje é aplacada apenas por desfibriladores externos e implantáveis.

Para um grande número de pacientes que já usam os cardioversores-desfibriladores implantáveis, a nova técnica pode eliminar a dor, melhorar a taxa de sucesso do tratamento, prolongar a vida útil da bateria e, portanto, reduzir a necessidade de trocas cirúrgicas do dispositivo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Coração

Prevenção

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento