Dia Mundial da Osteoporose

Para combater o subdiagnóstico da osteoporose no sexo masculino, os homens são o foco da campanha internacional "Ame seus ossos", pelo Dia Mundial da Osteoporose, nesta segunda-feira (20). A doença se caracteriza pelo enfraquecimento dos ossos e acomete principalmente os mais velhos. Esta é uma iniciativa da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF em inglês), que conta com o apoio global de diversas instituições.

A fundação divulgou, em outubro, dados que mostram que um terço de todas as fraturas de quadril no mundo ocorre em homens, com taxa de mortalidade até 37% no primeiro ano após a fratura, o que significa duas vezes mais que a de mulheres.

A osteoporose é uma doença conhecida por atingir principalmente pessoas idosas e mulheres, mas podendo acometer também os homens, sobretudo acima dos 50 anos idade.

É uma doença crônica progressiva, caracterizada por uma diminuição da massa óssea e rompimento da arquitetura óssea, o que compromete a força do osso e propicia fraturas.

Algumas medidas podem ser tomadas ao longo da vida para prevenir o desenvolvimento da osteoporose, como evitar sedentarismo realizando exercícios físicos, nem que seja uma leve caminhada diária, tomar sol por alguns minutos todas as manhãs, manter uma alimentação saudável, com equilíbrio nos nutrientes e caso necessário, acompanhamento médico para obter uma dieta equilibrada e evitar atitudes que aceleram a perda da massa óssea, como exagerar em bebidas alcoólicas e fumar.

Para as pessoas que já têm a doença, praticar uma atividade física contribui para a redução do risco de fratura de duas formas: uma, porque a força biomecânica que os músculos exercem sobre os ossos é capaz de aumentar a densidade mineral óssea; assim, exercícios com ação da gravidade parecem desempenhar importante papel no aumento e na preservação da massa óssea.

E, outra, porque a atividade física regular pode ajudar a prevenir as quedas que ocorrem devido a alterações do equilíbrio e diminuição de força muscular e de resistência.

Caminhada, corrida, Tai chi chuan, subida de escadas e dança são atividades físicas nas quais ossos e músculos trabalham contra a gravidade. Antes da prática de exercícios mais intensos, é recomendável uma avaliação profissional para estabelecer os limites do paciente.

Quem tem osteoporose?

Entre os fatores de risco para o desenvolvimento da osteoporose destacam-se: idade, sexo, índice de massa corporal, estilo de vida e história familiar.

As mulheres têm mais tendência à osteoporose que os homens porque seus ossos são mais finos e mais leves e apresentam perda de cálcio acelerada durante a menopausa. O Ministério da Saúde recomenda que as mulheres, ao entrarem na menopausa, e os homens, ao entrarem na andropausa, ou ao atingirem idade acima de 60 anos, procurem um médico para avaliação.

Caso necessário, poderá ser realizado o exame de densitometria óssea, para os seguintes casos: mulheres com idade igual ou superior a 65 anos e homens com idade igual ou superior a 70 anos, independentemente da presença de fatores de risco; mulheres na pós-menopausa e homens com idade entre 50 e 69 anos com fatores de risco para fratura; mulheres na perimenopausa, se houver fatores de risco específicos associados a um risco aumentado de fratura, tais como baixo peso corporal, fratura prévia por pequeno trauma ou uso de medicamento(s) de risco bem definido; adultos que sofrerem fratura após os 50 anos; indivíduos com anormalidades vertebrais radiológicas; e adultos com condições associadas a baixa massa óssea ou perda óssea, como artrite reumatoide ou uso de glicocorticoides na dose de 5 mg de prednisona/dia ou equivalente por período igual ou superior a 3 meses.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ossos e Articulações

Atividades Físicas

Terceira Idade

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.